Autoconhecimento

Na alegria, na tristeza e até na crise conjugal

Depois de anos de relação, algo parece não estar mais funcionando. Cadê aquele sentimento avassalador? Parece até que vocês não falam mais a mesma língua. Nem o sabor da pizza é mais o mesmo! Mas ao mesmo tempo quando você olha a sua volta, ninguém parece estar sentindo e pensando como você

Um belo dia você conhece uma pessoa. E ela desperta sua curiosidade. Seja pela beleza, pela inteligência ou até mesmo pelo senso de humor. Você percebe que há algo diferente. Essa pessoa vai de encontro com o que você busca para sua vida. Desperta emoções, sensações e proporciona momentos únicos. Juntos decidem que devem dividir o mesmo teto. São metades de uma mesma laranja. Há quem se arrisque em dizer almas gêmeas.

Depois de anos de relação, algo parece não estar mais funcionando. Cadê aquele sentimento avassalador? Parece até que vocês não falam mais a mesma língua. Nem o sabor da pizza é mais o mesmo! Mas ao mesmo tempo quando você olha a sua volta, ninguém parece estar sentindo e pensando como você.

Muitas relações se perdem na rotina do mundo pós-moderno. É uma avalanche de compromissos financeiros, sociais, familiares, individuais e fica difícil em alguns momentos alinhar a expectativa coletiva sobre seu futuro com a expectativa que você mesmo tem do que seria um futuro feliz ou ideal. Vale ressaltar que nessa relação expectativa/realidade deixamos de viver o presente. A relação fica em segundo plano. A sintonia do casal se perde e o amor dá sinais que está adormecido.

Eis então a famosa crise conjugal. Que nada mais é do que duas pessoas soterradas de informação e compromissos, pensando excessivamente no futuro. Há dificuldades em entender o passado e assumir, sem vergonha, a crise. É preciso deixar de lado estereótipos e entender que a crise é um processo natural dos relacionamentos, que indica claramente que algo precisa funcionar diferente para ser melhor. Não significa um ponto final. Pode ser simplesmente uma pausa saudável.

Neste momento é importante respirar, raciocinar e buscar por um aconselhamento profissional. Crise não é sinônimo de separação. E muito menos de resultado de terapia de casal. É buscar a ajuda de um indivíduo que também passa por desafios, mas que está capacitado para propor ou simplesmente direcionar soluções para tais conflitos.

O foco da terapia de casal está em desenvolver estratégias para uma comunicação mais clara entre o casal. Desta forma, os conflitos e problemas emanharados podem se dissolver, favorecendo o respeito, a integridade do casal e a individualidade de cada um. A terapia ajuda a construir novas possibilidades.

 

*Luana Pinheiro é psicóloga e atende no Edifício Totalité, em Rio Preto*

 

Por z_Raphael Ferrari em 13/02/2020 23:59