Redes Sociais

Cidades

Sindicato projeta retração de 7% no PIB da construção civil em 2015

Cenário só mudará se houver retomada da confiança na economia

Publicado há

em

 

Em razão da piora do ambiente macroeconômico, principalmente dos indicadores como Produto Interno Bruto (PIB), juros, inflação, emprego e câmbio, o Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo (SindusCon-SP) revisou suas estimativas para baixo, prevendo uma retração de 7% para o PIB da Construção em 2015 ante os 5,5% projetados anteriormente.

 A entidade tem como base as projeções do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da Fundação Getulio Vargas (FGV) para o PIB do Brasil, que apontam retração um pouco superior a 2% neste ano.   “A indústria da construção está sofrendo diretamente os efeitos da crise econômica, que por sua vez está sendo alimentada pela crise política. Neste particular, o que se espera do governo são ações que inspirem gradualmente a retomada da confiança”, observa José Romeu Ferraz Neto, presidente do SindusCon-SP. “Perseverar no diálogo com o Congresso, ajustar despesas sem elevar os tributos, cuidar do crédito à produção e lançar a fase 3 do Programa Minha Casa, Minha Vida são algumas dessas ações necessárias.”  

 Para somar, os governos federal, estadual e municipal cortaram investimentos e reduziram o ritmo de suas obras. Empresários e a população em geral têm adiado os investimentos e decisões de longo prazo.  Ao mesmo tempo, o baixo nível de vendas e lançamentos no segmento de edificações tem se somado à quase paralisia das obras de infraestrutura, com efeitos negativos sobre a rentabilidade das empresas. A queda no faturamento real do varejo de materiais sugere que os gastos com reforma e autoconstrução também estão em ritmo mais lento.

 Reflexo no emprego

A perspectiva também levou em consideração os dados da pesquisa de emprego com carteira assinada do SindusCon-SP. De janeiro a junho de 2015 foram cortados 157,2 mil empregos na construção brasileira em relação a dezembro de 2014 (queda de 10,8%). Os setores mais afetados foram infraestrutura (-13,18%) e imobiliário (-10,17%). Em 12 meses, o saldo líquido negativo alcançou 383,8 mil postos de trabalho

 A estimativa é de que a indústria da construção encerrará 2015 com um corte aproximado de 480 mil empregos em relação a dezembro de 2014 (redução de pouco mais 14,3%). Somados aos 270 mil empregos encerrados pela construção no ano passado, o setor terá perdido 750 mil trabalhadores com carteira assinada no biênio 2014/2015 – patamar próximo ao de maio de 2010.

AS 10 MAIS LIDAS