Redes Sociais

Cidades

Homem é preso por pedofilia em Rio Preto

O flagrante aconteceu nesta sexta-feira (dia 11) no bairro Anchieta; Até o momento a Delegacia de Defesa da Mulher localizou duas vítimas, uma de 11 anos e outra de 12

Publicado há

em

Um repositor foi preso em flagrante por pedofilia na tarde desta quinta-feira no bairro Anchieta, em Rio Preto. A prisão foi feita após investigações da Delegacia de Defesa da Mulher

De acordo com a delegada da DDM, Margarete Franco, as investigações iniciaram após familiares de uma das vítimas procurarem a delegacia. “A denúncia partiu de um pai de um adolescente de 12 anos, que encontrou no celular do filho imagens de um homem adulto nu. Então iniciamos as investigações e foi expedido um mandado de busca e apreensão dos equipamentos eletroeletrônicos e hoje foi cumprida a ordem”.

Foram apreendidos pelos policiais dois aparelhos celulares e um tablet . Durante uma varredura simples foi encontrado material com conteúdo erótico envolvendo crianças e adolescente.

“Eu me assustei com as imagens que ele armazenava no celular. Ele foi preso em flagrante com base no artigo 214B do Estatuto da Criança e do Adolescente que é possuir ou armazenar imagens de cena de sexo envolvendo criança e adolescente”

Através do tablet foi possível a localização da segunda vítima. “Notamos que o papel de fundo de tela do tablet tinha a foto de uma criança, questionamos que seria aquela criança e o acusado disse que era um conhecido. Geralmente usamos imagens de familiares e não de pessoas desconhecidas. Começamos novas diligências e localizamos a segunda vítima” explica a delegada.

A segunda vítima, uma criança de onze anos, relatou que recebeu pequenas quantias em dinheiro e pequenos presentes do acusado e por várias vezes convidado para ir a casa do repositor no período noturno. A vítima também relatou ter recebido imagens do acusado nu, mas que nunca enviou ou teve relação sexual com acusado.

“A primeira vítima também relatou nunca ter tido qualquer relação sexual ou contato mais intimo com o preso. O acusado só envia imagens dele próprio nu. Mas não descartamos a possibilidade de que outras vítimas tenham tido relação. Na próxima semana, iniciaremos novas diligências pelo bairro, pois uma das vítimas nos informou de possível terceira vítima” afirma Margarete.

Os aparelhos serão encaminhados para perícia para uma investigação mais detalhada e a delegada pretende acionar a Polícia Federal. “Notamos que o acusado participava de um grupo de um aplicativo do celular em que usuários trocavam vídeos de pedofilia. Notamos que um dos usuários enviou vídeos de sexo explícito de crianças na índia e o administrador deste grupo seria do Paraguai. Pode até existir uma rede mundial de pedofilia por isso pretendo encaminhar o laudo para PF a fim de investigar esta ramificação mundial” disse.

O repositor foi encaminhado para cadeia pública de Catanduva e responderá pelos crimes de exploração sexual, com penas entre 4 a 10 anos, e armazenamento de imagens de conteúdo  pornográfico envolvendo crianças e adolescentes, com pena de 1 a 4 anos.

AS 10 MAIS LIDAS