Redes Sociais

Cidades

Hospital de Base de Rio Preto deve iniciar transplantes de pulmão até o final de ano

A equipe de reportagem da Gazeta de Rio Preto acompanhou, na manhã desta sexta-feira (dia 18), a visita dos representantes do Ministério da Saúde para validar o serviço no hospital; Caso seja autorizado, Rio Preto será a primeira cidade do interior do país a realizar este procedimento. Atualmente acontece somente nas capitais

Publicado há

em

O Hospital de Base de Rio Preto pode fazer transplantes de pulmão até o final do ano. A equipe de reportagem da Gazeta de Rio Preto acompanhou os representantes do Ministério da Saúde durante visitano Hospital de Base de Rio Preto, na manhã desta-feira (dia 18), para validar no local as circurgias de transplante de pulmão. Este é o último passo do processo burocrático para autorizar o HB a fazer este tipo de serviço. Sendo assim, após a validação do Ministério da Saúde, o hospital rio-pretense será o oitavo do Brasil a fazer este tipo de procedimento delicado e a primeira cidade do interior do país a realizar este procedimento, já que todos os transplantes atualmente acontece somente nas capitais. Tudo graças à excelente estrutura e a quaficação da equipe multidisciplinar que ficará responsável pelas cirurgias de transplantes de pulmão. 

“Para o transplante de pulmão que é um procedimento bastante critico, é necessário que tenhamos uma instituição com uma equipe de profissionais e multiprofissional preparada. Para que programa seja funcional e atuante precisamos de apoio humano e institucional. Nossa visita é para avaliar estas condições da instituição com objetivo de preencher os requisitos de uma portaria do Ministério da Saúde. Caso o hospital atenda todos estes requisitos, o programa será credenciado. Assim, futuramente Rio Preto poderá ser referencia no transplante de pulmão, assim com já é em algumas modalidades” explica o cirurgião torácico Antero Gomes Neto, representante da Câmara Técnica de Transplante de Pulmão do Ministério da Saúde.

No Brasil, cerca de 200 pessoas estão na fila de espera para um transplante de pulmão, só no Estado de São Paulo, 110. Se tudo ocorrer como o esperado, o Hospital de Base reforça o serviço nacional que hoje conta com o Hospital Clínicas de Belo Horizonte, Instituto de Cardiologia do Distrito Federal, o Hospital de Messejana, de Fortaleza, o Hospital Clínicas e a Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre e o Albert Einstein e INCOR de São Paulo.

O Hospital de Base dispõe de todos os setores e especialidades necessárias antes, durante e depois do transplante. Um andar inteiro dedicado aos transplantes, centro cirúrgico moderno, serviços de medicina intensiva, de diagnósticos por imagem e de hemodinâmica, laboratórios de imunologia e microbiologia, além de um centro de reabilitação. O Serviço reúne numeroso time multidisciplinar, formado por médicos infectologistas e intensivistas, fisioterapeutas, equipe de enfermagem, nutricionistas e assistentes sociais.

O analista da Coordenação Geral de Transplantes do Ministério, Diego Emilio Romero Rovaris, explica que o HB poderá iniciar os procedimentos de transplantes em até três meses. “Ao término da visita, faremos os relatórios exigidos e assim que prontos, encaminharemos para o setor competente. Todo este tramite pode levar até três meses”.

Sobre o serviço

O médico Henrique Nietmann iniciou o projeto de implantação do serviço, em 2012, amparado em conhecimento e experiência adquiridos no Hospital da Universidade de Toronto, no Canadá, onde foi realizado o primeiro transplante de pulmão no mundo, em 1986, e considerado um dos principais centros de referências neste procedimento. Dr. Rafael Musolino, pneumologista do Hospital de Base, explica que os profissionais do Serviço fazem um acompanhamento ambulatorial e médico dos, para assegurarem o seu bem estar e as melhores condições físicas e psicológicas. No centro de reabilitação, por exemplo, eles fazem exercícios orientados para melhorarem o condicionamento físico e a capacidade respiratória. “São requisitos fundamentais para que, ao receberem o pulmão, terem a melhor recuperação pós-cirúrgica possível”, salienta Dr. Musolino. Hospital de Base referência em transplantes de órgãos O HB é referência em transplantes de pâncreas, córneas, rins, fígado e medula. Aparando uma região de 102 municípios da diretoria regional de saúde do noroeste do Estado, desde 1992 já realizou mais de quatro mil transplantes. Até julho deste ano, 163. (43 córneas, 32 fígados, 2 pâncreas, 21 medulas e 65 rins).

AS 10 MAIS LIDAS