Redes Sociais

Cidades

Setor de alimentação cresce sem parar em Rio Preto

Cidade ganhou só no ano passado cerca de 320 empresas da área de alimentação. Tem points gastronômicos para todos os gostos e bolsos

Publicado há

em

 

Basta uma rápida volta pelos bairros de Rio Preto para constatar que o setor de alimentação está em plena expansão. Uma nova unidade de açaí aqui, um barzinho descolado acolá. E por aí vai. Não é à toa que só no ano passado foram abertas cerca de 320 empresas do setor de alimentação em Rio Preto. De acordo com Rodrigo Ramiro, da RZD Consultoria, os gastos com alimentação fora do lar aumenta cada ano e atualmente representa cerca de 30% do orçamento familiar. “É uma grande oportunidade para quem sabe se posicionar com produtos inovadores e exclusivos capazes de conquistar o paladar e o bolso dos consumidores”, afirma ele.

Um dos mais novos points gastronômicos da cidade fica na Redentora. É a segunda unidade da Petit Cake, rede especializada em sobremesas diferenciadas e de alta qualidade. “Rio Preto nos recebeu de braços abertos e tínhamos que retribuir com mais uma unidade. Nosso objetivo é fazer que a Petit Cake esteja cada vez mais no dia a dia das pessoas”, afirma Liara Souza, chef e fundadora da franquia. A primeira unidade rio-pretense foi inaugurada em fevereiro na região dos Damhas. De acordo com os franqueados da unidade da Redentora, Sérgio Ferreira Real e Adriel Berling Magalhães, o cardápio é composto por doces à base de brownies, um bolo tradicional americano. Liara resgatou uma antiga receita e a paixão familiar pela gastronomia para apresentar ao público combinações e tendências. Também foi pioneira em trazer as famosas ‘taças sujas’ para a região de Rio Preto. A trajetória de sucesso da jovem empreendedora começou a ser desenhada em setembro de 2014 em Votuporanga, onde vendia seus produtos para amigos e familiares. Quem comia encorajava a empreendedora a abrir o seu negócio. Então, ela decidiu largar o emprego estável e investir no estabelecimento montado a princípio na garagem de sua casa. De lá para cá, o negócio deslanchou e em janeiro deste ano entrou para o mercado de franchising, somando atualmente quatro unidades em funcionamento e outras cinco em fase de implantação.

Um lugar que está entre os prediletos dos rio-pretenses é o restaurante A Donna Polenta, próximo ao Clube dos Bancários. Além de agradar em cheio os amantes da iguaria, que leva o nome do estabelecimento e traz como carro-chefe a polenta acompanhada de ragu de rabada ou costela, há no cardápio várias opções de risotos, bolinhos de tapioca com queijo, panquecas, massas frescas, saladas e pratos completos. Aos finais de semana há cardápios especiais elaborados pelos sócios Marcia Castro, Dayane Boracini Prates, Luciana Bessan Leonel e Leon Lut, com receitas de dar água na boca. O diferencial por lá é que nada é frito, ou seja, é um point gastronômico ideal para quem procura por uma alimentação saudável e com muito sabor. Os pratos do restaurante são assados em um potente forno e, claro, traz aquele tempero de fazenda. Ideal também para quem procurar um lugar que contempla a natureza e seja aconchegante para um happy hour regado a cervejinha importada com os amigos.

Concurso gastronômico termina neste domingo, dia 7

O tradicional concurso gastronômico Comida di Buteco termina neste domingo, dia 7, e usa de critérios para selecionar os bares participantes da competição. Ter à frente do empreendimento a família é o essencial. Os botecos passaram a ser o sustento de algumas pessoas, e as conta são pagas por meio do lucro do local, de acordo com os proprietários. O estreante Alcides Lazaro dos Santos, dono do Bar do Cidinho, seguiu a tradição e colocou a família para trabalhar no boteco. A mulher dele, filha e genro, além de três funcionários, dividem tarefas como servir mesas, recebimento no caixa e produção dos petiscos. “O bar é da época do meu pai, desde 1963. Passou para meu irmão e, em 1984 eu assumi. Hoje cada um de nós tem uma função”, disse.

Tem boteco participante da competição que é instalado na própria casa do dono, como exemplo o 7 Copas, comandado pelo Sidnelson Alexandre da Silva Junior, também conhecido como Jacaré. Passado de pai para filho, o bar sempre funcionou na casa da avó de Jacaré, e após algumas reformas, o 7 Copas foi ganhando forma. “Depois da participação no Comida di Buteco, consegui mudar o bar, fiz algumas mudanças, mas a intenção é que a pessoa se sinta em casa, igual me sinto. E na hora de servir as mesas, tenho ajuda até do meu filho”, afirma Jacaré.

AS 10 MAIS LIDAS