Redes Sociais

Cidades

Zoológico de Rio Preto atende 420 animais silvestres feridos em um ano

O último atendimento foi a uma onça parda adulta, de 15 anos, atropelada na região de Barretos

Publicado há

em

Uma onça parda foi transferida do Zoológico de Rio Preto para um hospital veterinário da cidade, na quarta-feira, dia 27, onde passou por uma cirurgia que demorou aproximadamente nove horas. O animal, que foi atropelado em novembro, em Barretos, tinha uma fratura óssea e recebeu uma placa de fixação, além de pinos de aço cirúrgico. Oobjetibo é que o felino recupere os movimentos do membro afetado e possa ser reinserido na natureza novamente.Este é apenas um dos 420 atendimentos prestados pela clínica veterinária do Zoológico de Rio Preto aos animais silvestres recolhidos na região, de janeiro a dezembro deste ano.

“São atendimentos dos mais variados. Recebemos animais silvestres bastante debilitados que estavam sendo traficados e transportados de forma precária. Temos ocorrência de caça, quando os ferimentos são provocados por armadilhas ou armas de fogo, e os casos de animais atropelados ou com queimaduras”, explica o médico veterinário Bernhard Von Schimonsky.

No momento, 25 animais estão em acompanhamento médico no zoológico. “São 21 aves, três mamíferos e um réptil. Este último é uma iguana, um animal que não é da nossa região e possivelmente chegou até aqui em decorrência do tráfico”, conta o médico veterinário.

Além da onça parda atropelada em Barretos, outro filhote da mesma espécie também permanece sob os cuidados na clínica do zoológico. “Esta Suçuarana foi atropelada por uma colheitadeira em um canavial na região. Ela e o irmão foram resgatados pela Polícia Ambiental. O filhote macho não resistiu às várias mutilações e morreu. Já ela teve uma fratura de úmero e se recupera bem. Agora, o próximo passo é analisar como e quando ela poderá ser solta na natureza”.

Cirurgia

A onça parda que passou por cirurgia é do sexo masculino, com aproximadamente 15 anos e pesa cerca de 45 quilos. “O procedimentocirúrgico correu bem. A estimativa era de quatro horas de cirurgia, mas acabou se estendendo para nove. Foi feito curativo e acompanhamos o retorno do anestésico, que foi dentro do esperado. Agora ela ficará sob cuidados de avaliação. Os próximos dias serão fundamenteis para melhora dela”, diz o coordenador do Zoológico e veterinário Ciro Cruvinel.

O veterinário falou sobre o tempo de recuperação do felino. “Este tipo de procedimento leva em torno de 60 dias, para estar totalmente recuperado. Isto pelo fato de ser um local de movimentação. Mas no caso desta onça, o fato de ser de meia idade, pode atrasar um pouco mais. Mas não descartamos a chance de ela retornar à natureza futuramente”, afirmou. 

AS MAIS LIDAS