Redes Sociais

Cidades

Mulher suspeita de explorar sexualmente duas adolescentes é presa em Rio Preto

Flagrante foi feito nesta quinta-feira, dia 25, pela Polícia Civil, após Vara da Infância e Juventude expedir mandado de busca

Publicado há

em

Uma mulher de 24 anos foi presa na manhã desta quinta-feira, dia 25, acusada de estar explorando sexualmente duas adolescentes de 17 anos. A prisão, feita por policiais do Grupo de Operações Especiais (GOE), aconteceu no bairro Vale do Sol. No imóvel foram localizados preservativos e uma caderneta com anotações. A dona da casa e as duas menores foram levadas até a Central de Flagrantes.

De acordo com o promotor da Vara da Infância e Juventude, Evandro Pelarin, foi expedido um mandado após uma denúncia chegar ao Ministério Público. “Recebemos a queixa do Conselho Tutelar sobre a eventual exploração sexual de uma adolescente. Até então, não tínhamos todos os dados, apenas algumas referências do que vinha acontecendo. A princípio, a suspeita era do envolvimento de apenas uma menor, porém durante a ação da Polícia Civil constatou-se que eram duas adolescentes” disse o juiz.

Com um mandado de buscas, policiais do GOE foram até o local indicado na denúncia feita ao MP e confirmaram a exploração sexual de menores. “Neste imóvel estavam as duas adolescentes e a proprietária da casa. Foi localizado um caderno com anotações financeiras e também preservativos masculinos, objetos que deixaram claro a interpretação de que ali acontecia prostituição. Ainda foi apurado que a dona da casa vivia da exploração. Ela cobrava das adolescentes uma diária de R$100 de cada uma para fornecer um quarto de aluguel, comida e banho” conta o delegado Éder Galavoti.

As três envolvidas foram levadas a Central de Flagrantes para prestar esclarecimentos. “A dona da casa ficará presa e responderá pela exploração sexual das adolescentes e está sujeita a uma pena pode variar de quatro a dez anos. Já as adolescentes foram encaminhadas pelo Conselho Tutelar a Riolândia e Catiguá, cidades onde moram os familiares” afirmou o delegado.

Investigações prosseguem

Os telefones celulares das adolescentes e da proprietária do imóvel foram apreendidos e passarão por perícia. A Polícia Civil agora tentará localizar os possíveis clientes das menores, que poderão ser detidos caso for comprovado envolvimento sexual.

“O caso agora será encaminhado para Delegacia de Defesa da Mulher e as investigações continuarão. É perceptível que as garotas eram menores de idade, então queremos descobrir agora quem eram estes clientes para que eles também possam responder criminalmente” afirma Galavoti.

O juiz Evandro Pelarin explica que, mesmo as adolescentes negando a exploração sexual, alegando estarem ali naquela casa por escolha própria ou, ainda justificar queestão se prostituindo por opção, a pessoa maior de idade que estiver junto a ela responderá criminalmente, seja a dona do imóvel ou um cliente.

“O código penal não estabelece como se dá a exploração sexual de uma adolescente. Se a pessoa estiver em uma casa, onde recebe alimentação ou alguma forma de pagamento e em troca disso pratica atos sexuais, isto é uma forma de exploração. O mesmo vale para os casos onde uma adolescente afirma que tem vontade, que deseja praticar o ato sexual, isto não libera uma pessoa maior de idade deste delito, e quem for flagrado responderá também criminalmente” afirma o juiz.

AS MAIS LIDAS