Redes Sociais

Cidades

Cobrança digital da Área Azul começa a ser implantada em Rio Preto

Emurb e Empro testam sistema no bairro Redentora e previsão é de que até o final de junho todos os pontos de estacionamento rotativo tenham o aplicativo à disposição

Publicado há

em

A Emurb (Empresa Municipal de Urbanismo) e a Empro (Empresa Municipal de Processamento de Dados) começaram na tarde de quarta-feira, dia 28, a implantação do novo sistema de cobrança da Área Azul, em Rio Preto. O setor 106, no bairro Redentora, foi o primeiro ponto utilizar o “QR Code”, que, de acordo com a Empro, até o final de junho deve estar em todos os pontos onde existe a cobrança do estacionamento rotativo.

O cronograma de testes foi concluído na sexta-feira, dia 23, em reunião realizada na Empro, e que contou com representantes e assessores das duas empresas públicas. O objetivo é ampliar gradativamente o uso dos talões com QR Code até alcançar 100% das 3.069 vagas (1.574 no Centro e 1.495 na Redentora). No fim de junho deverá ser aposentando definitivamente o sistema de cartões numerados impressos previamente. Pelo novo sistema, o cartão de estacionamento será gerado na hora da compra, por meio de impressoras portáteis, e terá validade de duas horas. O valor atual, de R$ 3,50, será mantido e por enquanto não há possibilidade de fracionar o pagamento.

Os agentes da Área Azul vão fiscalizar o cartão por meio de escaneamento feito pela câmera dos smartphones, que serão disponibilizados no kit individual de trabalho. No comprovante impresso constará data, horário, a placa do carro e o QR Code. “O objetivo é gerar mais segurança para o usuário e para a empresa, assim como facilitar o controle e a contabilidade dos valores arrecadados. Como o sistema é integrado, o cálculo do valor arrecadado por agente será feito automaticamente, organizando e agilizando a prestação de contas no fim do expediente”, disse o presidente da Emurb, Rodrigo Juliano.

O gerente de desenvolvimento e tecnologia da Empro, Guilherme Machado, acompanhou os primeiros testes feitos na tarde de ontem. Ele explicou que, em comum acordo com a Emurb, foi determinado que a implantação do sistema vai ser feita a partir dos locais com menor fluxo de veículos, o que vai fazer com que a região central da cidade seja a última a contar com o sistema digital. “Optamos por começar pelos setores com menor movimento, para avaliarmos os resultados, em dentro de três meses a cobrança digital já vai abranger 100% da Área Azul da cidade”.

O novo método de cobrança da Área Azul será implantado em três fases. A primeira será a de disponibilização dos tickets. Em seguida será feito o cadastramento dos pontos de venda e a terceira será a implantação do aplicativo da Área Azul. Machado disse que o sistema atual poderá ser usado como uma espécie de suporte, mesmo depois da implantação do aplicativo definitivo, que segue em fase de desenvolvimento.

Recuperação

O prefeito Edinho Araújo (MDB) disse, na semana passada, que a implantação do aplicativo de cobrança da Área Azul era “uma questão de honra” para o governo. Em janeiro, um sistema desenvolvido pela empresa Innovare Cartuchos foi disponibilizado. Logo no primeiro dia, o sistema apresentou uma série de problemas de ordem técnica, que obrigaram a Emurb a manter o sistema convencional de cobrança, feita por meio de talões impressos.

Os problemas aumentaram e causaram uma das maiores crises enfrentadas pelo atual governo, e que resultou, inclusive, na exoneração de Vânia Pelegrini, que era a diretora presidente da Emurb à época. A Prefeitura formou uma comissão de sindicância que apurou irregularidades e fez sugestões para a sequência do trabalho da empresa. Uma delas, prontamente acatada pelo prefeito, foi a de acabar com a Área Azul nos bairros Boa Vista e Santa Cruz, locais considerados “inviáveis” pelo baixo fluxo de veículos. Os agentes foram remanejados para intensificar a prestação do serviço no Centro e no bairro Redentora, onde a cobrança seguiu normalmente e que agora recebe um sistema digital para a execução.

 

AS MAIS LIDAS