GAZETA DIGITAL ISSUU - Gazeta de Rio PretoISSUU - Gazeta de Rio Preto

Cidades

Reforma do Mercadão Municipal fica para o mês que vem

O secretário municipal de Agricultura, Pedro Pessuto, admite percalços e atrasos na obra, que custará R$ 4,4 milhões

O secretário de Agricultura e Abastecimento de Rio Preto, Pedro Pessuto, afirmou que a reforma do Mercadão Municipal começa no mês que vem, após uma reunião na próxima semana com os permissionários. Durante a reunião será apresentado um cronograma das obras, montado pela Prefeitura de Rio Preto e a empresa Ellipse Projetos, de Jales, que venceu a licitação.

As obras no interior do prédio serão realizadas em etapas, com o Mercadão aberto ao público. Por isso, os comerciantes serão transferidos de local a cada passo da reforma.

O secretário municipal de Agricultura disse ainda que a data do início da reforma será divulgada apenas após essa reunião. O prefeito Edinho Araújo, MDB, vai emitir a Ordem de Serviço (OS).   Vale ressaltar que o cronograma não será discutido com os permissionários, “apenas apresentado”. Isso porque, a reforma com o Mercadão aberto ao público faz parte de um acordo os proprietários de bancas. “Eles que fizeram essa reivindicação”. Se o Mercadão fosse fechado para receber as melhorias a obra seria feita em um tempo menor”, disse Pessuto.

O prazo para a entrega da obra é de 405 dias a partir da assinatura do contrato. Ele foi publicado no dia 21 de janeiro no Diário oficial.

Pessuto admite percalços e atrasos nesse projeto. Ela ia ser feita com um fundo que recebe verbas de proprietários que colocam áreas no perímetro urbano. O dinheiro do fundo não é público. Por isso, dispensa concorrência pública. A Procuradoria Geral do Município deu parecer contrário. Será bancada com dinheiro público e, por isso, foi necessária licitação (com todos os prazos legais exigidos). Foi o primeiro atraso.

Os permissionários pediram que as obras fossem realizadas com o Mercadão em funcionamento, e depois das festas de final de ano, para evitar transtornos aos consumidores e prejuízos aos donos de bancas. Esse foi o segundo ato que motivou um novo atraso.

Embora o secretário diga que o cronograma vai determinar quais os períodos em que cada parte do prédio vai receber a reforma e, com isso, pequenos grupos de comerciantes serão deslocados dentro do próprio espaço, o diretor da Associação dos Permissionários, José Alberto da Silva Alvino afirma que a reforma vai acontecer em duas etapas. A primeira vai atingir 50% dos permissionários e do espaço. A segunda, os outros 50%. “Nós que reivindicamos. Tem comerciantes que não pode ficar uma semana com a banca fechada”, diz. Ele disse ainda que a reunião a que se refere o secretário municipal será no dia 27 de janeiro, segunda-feira.

Pessuto disse que durante as obras será feita uma concorrência para agregar entre 10 e 12 novos permissionários.

Novos espaços

Hoje existem algumas bancas desocupadas e a reforma no Mercadão poderá abrir novos espaços. A secretaria de Agricultura não definiu quais serão os novos produtos e serviços que serão instalados após reforma. “Estamos estudando e vai ser definido ao longo da reforma”.

Atualmente são 32 permissionários que comercializam produtos hortifrúti, alimentos, lacticínios, flores, carnes, fitoterápicos, doces e uma lotérica que presta serviços bancários.

O Mercadão completa este ano 75 anos de fundação. A reforma está prevista para um espaço de 1,7 metros quadrados e tem previsão de custar R$ 4,4 milhões. Foi inaugurado pelo prefeito Ernani Pires Domingues em 1944. José Alberto da Silva Alvin disse que a reforma é uma velha reivindicação dos próprios permissionários. “Faz tempo que a gente acha que é necessária”. No Natal deste ano a reforma ainda não estará concluída, mas Pessuto afirma que as obras não vão atrapalhar o funcionamento.

Por Rubens Celso Cri em 23/01/2020 23:59
TerrasAlphaville