Cidades

Lucy Montoro de Rio Preto promove Carnaval inclusivo com trio elétrico, passistas e samba-enredo

O Bloco do Nada Igual, formado por pacientes, acompanhantes e profissionais da unidade rio-pretense, que tomou as ruas da cidade atrás do trio

A Unidade de Rio Preto do Instituto Lucy Montoro abre alas para o Carnaval, com inovação, diversão e muita inclusão. Pela primeira vez na história, uma equipe da Rede de Reabilitação preparou comemoração de Carnaval, com direito a bloco de rua, trio elétrico, passistas, porta-bandeiras, mestre-sala e abadá. O Bloco do Nada Igual, formado por pacientes, acompanhantes e profissionais da unidade rio-pretense, que tomou as ruas da cidade atrás do trio.

Embalados pelo som da Banda Virados Pra Lua, o Bloco saiu da Avenida Jamil Feres Kfouri, 40 (onde está localizada a Unidade 1 do Instituto em Rio Preto), percorreu a rua José Agrelli até chegar à quadra poliesportiva da Faculdade de Medicina e Enfermagem de Rio Preto, Famerp, em um percurso de cerca de 800 metros. Durante a semana, os pacientes em reabilitação fizeram máscaras típicas para usarem na festa.

“O Bloco do Nada Igual vem para mostrar que a pessoa com deficiência tem direitos, inclusive de se divertir e de participar da maior festa do Brasil, que é o Carnaval. Inclusão é nosso principal objetivo. Por isso, o Lucy convidou instituições como Clube Amigo dos Deficientes (CAD), Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae), Renascer, Instituto dos Cegos, Secretaria da Pessoa com Deficiência e outros”, ressalta a diretora da unidade de Rio Preto do Lucy, Dra. Regina Chueire.

Para receber este público, a Escola de Samba Imperatriz Rio-Pretense trouxe passistas e bateria que animaram o desfile. A equipe do Instituto preparou um samba-enredo para o bloco. Além disso, os pacientes ganharam camisetas de abadá e alunos de uma escola de Rio Preto também participaram do evento.

Márcio dos Anjos Borges, de 29 anos, ex-paciente do Lucy, participou da ação e ficou maravilhado. “Não sabia que seria deste tamanho. Cheguei, tinha trio, banda, um bloco completo. Não deixou a desejar a nenhuma outra festa de carnaval. Foi completa! Só folia e foliões!”, afirmou Borges.

A festa contou com o apoio da Guarda Civil Municipal (GCM). De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o país tem cerca de 45,6 milhões de pessoas com deficiência.

Por Da Redação em 20/02/2020 16:25
TerrasAlphaville