Cidades

Isolamento social em Rio Preto aumenta e fica em 45%; na capital foi 53%

Os dados se referem à medição feita ontem, sábado, em 104 cidades do estado; mesmo com o feriadão prolongado São Paulo não alcança os índices esperados pela Secretaria Estadual de Saúde

Isolamento social em Rio Preto aumenta 3 pontos e chega aos 45% da população ontem, sábado, dia 23 de maio. Na sexta-feira registrou 42%. O município não chega aos 50% desde o dia 3 de maio, um domingo, quando foi de 53%, e dia 1º, dia do Trabalho, feriado, 50%. Nos quatro primeiros dias da última semana ficou em 44% e baixou para 42% na sexta-feira. Muito longe do número esperado pela Secretaria Estadual de Saúde, 70%. A dificuldade em alcançar essa marca em todo o estado fez com a Secretaria passasse a aceitar 55%. A capital registrou 53% e a média do estado todo ficou em 51%.   

Foi um dos raros dias em que as 20 primeiras colocadas nesse indicador no estado ultrapassaram os 50% de isolamento social. A vigésima, Pirassununga, registrou 51% e São Sebastião, a primeira colocada, 65%. Nenhuma das cidades da região de Rio Preto figura entre elas. A última que esteve nesse grupo, há quase 15 dias, foi Votuporanga. Por outro lado, nenhuma da região esteve com bandeira vermelha. Ela aparece quando o isolamento fica abaixo dos 40%. Foi um sábado com temperatura abaixo da média. Os dados deste domingo, dia 25, são tabulados a partir das 18h e conhecidos com 24h de atraso.

O isolamento é medido em 104 cidades com mais de 70 mil habitantes. Medido a partir do rastreamento dos telefones móveis. As empresas de telefonia produzem um mapa com manchas e porcentagens dos deslocamento dos celulares. Não há identificação dos números do telefones individuais, afirmam. O isolamento é um dos indicadores que serão levados em conta para pôr fim à quarentena, a partir de 1º de junho, ou determinar medidas mais restritivas para evitar a disseminação do coronavírus. A informação é da Secretaria Estadual de Saúde.

Embora mantenha um índice insuficiente, a região espera que as cidades do Noroeste Paulista sejam autorizadas a regionalizar a flexibilização e as atividades econômicas. São 102 cidades com 1,6 milhão de habitantes. A expectativa é porque os outros índices regionais são bons. Entre eles o número de leitos ocupados, abaixo de 60%, e de Equipamentos de Proteção Individuais, EPIs, em quantidade suficientes. 

Outro dado é a massificação de testes. Rio Preto é a cidade de porte médio do estado que mais testa. O número de casos ainda aumenta. Mas o secretário municipal de Saúde, Aldenis Borim, diz aguardar a estabilização dos casos positivos no começo de junho, quando, segundo ele, devem começar a cair.  O Comitê Municipalista se reúne no começo da semana.

Ele reúne os prefeitos das 16 maiores cidades do estado, o governador Joao Dória, PSDB, o vice, Rodrigo Garcia, DEM, e os secretários estaduais. As reuniões são realizadas por vídeo conferência. Rio Preto apresentou um plano de regionalização para a tomada das decisões e aguarda uma resposta. O prefeito Edinho Araújo, MDB, informou que espera a autorização para implantá-lo e iniciar uma mudança a partir de 1º de junho. O Plano prevê 5 estágios. Os dois primeiros (1 e 2) autoriza a flexibilização. Os dois últimos (4 e 5) exigem medidas ainda mais duras. 

Rio Preto se encontra no nível intermediário (3). Pode descer para o 2 e começar a flexibilizar a economia ou subir para o 4 e impor condições ainda mais restritivas.

Por Rubens Celso Cri em 24/05/2020 20:35
Taflex 28/05/2020