Cidades

Protesto pede reabertura de salões, barbearias, manicures e de empresas de estética

Na semana passada, 80 profissionais de serviço protestaram em frente à Câmara; o grupo esperava voltar ao trabalho na próxima segunda-feira, dia 1°, mas o decreto estadual não autorizou

Ao mesmo tempo em que cinco setores da economia local retomam as atividades, três deles com restrições, os empresários da área da beleza voltam à protestar contra proibição à reabertura dos seus negócios. Profissionais de salões de beleza, barbearias, manicures e de estética protestam na frente da Prefeitura na próxima segunda-feira, dia 1º de junho, a partir das 10 horas, pedindo o direito de voltar ao trabalho. Há uma semana cerca de 80 profissionais desses segmentos protestaram na frente da Câmara.

O presidente da Câmara, Paulo Pauléra, PP, e um grupo de profissionais que protestavam foram recebidos em audiência pelo prefeito Edinho Araújo, MDB. O grupo  (na foto) reivindicou o direito de voltar a trabalhar. Ouviu que a Prefeitura aguardava a posição do governo do Estado que poderia autorizar a retomada dessas atividades a partir do dia 1º de junho. No entanto, eles não estão na lista dos que podem reabrir. Rio Preto foi classificada na fase 2, cor laranja, e ela não permite a reabertura desse segmento de serviços. 

O estado classificou as regiões do estado em cinco fases. Apenas a partir da fase 3, a amarela, esse segmento está autorizado a voltar à normalidade. Em Rio Preto estão autorizados a abrir as portas empresas ligadas à locação de imóveis, de materiais de construção e outros três segmentos, com restrições: os shopping centers, lojas comerciais e os escritórios. Os três últimos podem abrir apenas 4 horas ao dia e com apenas 20% da capacidade. 

O secretário de Saúde, Aldenis Borim, disse em comunicado ao vivo no Facebook da Prefeitura, que vai fazer uma análise mais profunda do decreto estadual, que tem vários anexos e é complexo, para saber se existe a possibilidade de autorizar mais segmentos a voltar ao trabalho. Disse também que o decreto será avaliado de 7 em 7 dias. O governo do estado anunciou que ele poderá ser alterado a partir do dia 15 de junho. Rio Preto reivindica ser classificado na fase 3, a amarela.

Por Rubens Celso Cri em 31/05/2020 13:00