Cidades

Diversidade no meio corporativo ainda é pouco promovida na prática

Na contramão, empresa da região tem time de liderança formado por 53% de mulheres e realiza campanhas de conscientização dentro e fora da empresa

As discussões sobre a diversidade têm sido frequentes em todas as áreas. No meio corporativo, não é diferente. A recente polêmica envolvendo o ator Thammy Miranda, ao ser convidado para participar de uma campanha de Dia dos Pais, reflete a importância de se falar sobre o tema.

De acordo com o primeiro índice global de inclusão e diversidade, publicado em 2019 e feito em 14 países, o Brasil ocupa a 7ª posição quando o assunto é diversidade, inclusão e igualdade no ambiente empresarial. O estudo revela ainda que, em todo o mundo, cerca de 80% dos profissionais entrevistados presenciaram ou vivenciaram alguma discriminação no ambiente de trabalho, mas apenas 1 em cada 3 se sentiram à vontade para levar o tema ao setor de RH.

Na contramão desse cenário, a Cobmax, sales center localizado em Rio Preto, cultiva uma cultura que encoraja os colaboradores a valorizarem a diversidade. Para a gerente de RH, Thamires Souza, compartilhar informações e orientar sobre boas condutas sociais contribui para evitar preconceito. "Ao promovermos um ambiente de diversidade, temos como objetivo abastecer nosso time de informação e conscientização sobre como combater a violência doméstica, a LGBTIfobia e a discriminação racial, por exemplo".

A Cobmax também atua para além do ambiente empresarial, levando a discussão para toda a sociedade. “Em prol do mês do orgulho LGBTQIA+, fizemos uma série de publicações sobre o tema em nossas redes sociais como forma de estimular a empatia e o respeito ao próximo”, afirma Thamires.

Mulheres em cargos de liderança no Brasil

De acordo com pesquisas especializadas em gestão empresarial, a maior parte das empresas no Brasil é formada majoritariamente por homens. O relatório Panorama Mulher 2019, promovido pelo Insper, revela que, em mais de 400 empresas entrevistadas, apenas 26% dos cargos de diretoria e liderança tem a presença de mulheres. No ano anterior, esse número era de 21%.

O Fórum Econômico Mundial de 2019 afirma que o Brasil tem uma das piores desigualdades entre homens e mulheres. E vai demorar pelo menos 59 anos para conquistar a igualdade de gênero no mercado de trabalho.

Na Cobmax, o cenário é outro. Do total de funcionários, cerca de 60% são mulheres, e 53% da empresa é liderada por elas. A líder de vendas Talita Telles, que assumiu o cargo no começo do ano, conta que enxergou a possibilidade de conquistar espaço no quadro de liderança logo quando entrou na empresa. “Com o grande número de mulheres na gestão, eu me senti inspirada. Hoje, eu consegui assumir como líder de uma equipe de vendas e fico feliz por poder atuar considerando o profissionalismo de cada um, sem distinção salarial ou obstáculo por questão de gênero”.

Por Da Redação em 11/08/2020 23:20