Cidades

Semae fará o plantio de 85 mil árvores na Estação Ecológica do Noroeste Paulista

Área da Estação Ecológica, atingida por um incêndio no ano passado, foi indicada pelo Comitê da Bacia Hidrográfica dos Rios Turvo e Grande, que desenvolve ações de identificação e priorização de área de mananciais para preservação dos recursos hídricos na região

O prefeito de Rio Preto Edinho Araújo, o Semae – Serviço Municipal Autônomo de Água e Esgoto de Rio Preto e o FEHIDRO – Fundo Estadual de Recursos Hídricos do Estado de São Paulo assinaram, nesta quarta-feira (5/5), contrato de “Restauração de Áreas de Preservação Permanente da Estação Ecológica do Noroeste Paulista e Entorno”, que prevê o plantio de 85 mil mudas de espécies nativas. O valor do contrato é R$ 1.403.595,97. Desse total, R$ 1.263.236,37 será repassado pelo FEHIDRO e R$ 140.359,60 serão investidos pelo Semae. 

A restauração da área da Estação Ecológica, atingida por um incêndio em setembro do ano passado, foi indicada pelo CBH-TG - Comitê da Bacia Hidrográfica dos Rios Turvo e Grande, que desenvolve ações de identificação e priorização de área de mananciais para preservação dos recursos hídricos na região.

Depois de assinado o contrato, o Semae fará a contratação de uma empresa, por meio de licitação, para realização de um diagnóstico das áreas atingidas pelo incêndio e de um plano para prevenção e mitigação de incêndio. Na sequência, será feita a contratação de uma nova empresa que será responsável pelo plantio e cuidado das árvores das árvores. A previsão para o início do plantio é outubro deste ano.

O prefeito Edinho destacou a importância da assinatura do contrato e das ações que virão a seguir.  “Em Rio Preto, fazemos a preservação ambiental de fato. A recuperação da Estação Ecológica do Noroeste Paulista resgata o pulmão verde do nosso município e contribui na proteção dessa floresta que é a memória da Mata Atlântica na nossa região. Estamos garantindo o verde para esta e para as futuras gerações”, declarou.

“O plantio dessas 85 mil mudas de espécies nativas para a recuperação da Floresta do IPA, cumpre vários passivos ambientais. São os chamados TCRAs - Termos de Compromisso de Recuperação Ambiental, firmados com a Cetesb - Companhia Ambiental do Estado de São Paulo. O plantio fará com que a autarquia fique com ativos ambientais, que serão capitalizados e amortizados nos períodos presente e futuro” , explicou o superintendente do Semae.

A Floresta do IPA tangencia o córrego Piedade, que pertence a microbacia do rio Preto. Nicanor disse que a recuperação da floresta irá contribuir para aumentar a vazão do rio Preto, que recebe a água tratada da ETE – Estação de Tratamento de Esgoto, com 95% de pureza. “Essa vazão ajudará a depurar o esgoto residual que é lançado pela estação no rio Preto, garantido a manutenção da vida naquele curso de água.”

O Comitê da Bacia Hidrográfica dos Rios Turvo e Grande é um instrumento de desenvolvimento regional e proteção ambiental da Bacia. Ele atua com base em uma gestão tripartite integrada entre estado, município e sociedade civil. O Comitê abre 66 municípios do Noroeste do Estado, que estão posicionados sobre três importantes unidades de aquíferas subterrâneas: Serra Geral, Guarani e Bauru.

“Vale destacar a importância da execução desse projeto em nossa Bacia, que contempla a restauração ecológica em uma importante Unidade de Conservação do Estado, a Estação Ecológica do Noroeste Paulista (EENP), afetada gravemente por incêndios, e que servirá de modelo para a continuidade do nosso trabalho na Bacia do Turvo/Grande”, afirmou o Secretário Executivo do CBH-TG, Gustavo Antônio Silva.

Por Da Redação em 06/05/2021 00:34