Redes Sociais

Cidades

‘Combate à fome’ de Rio Preto é reconhecido por representante da ONU

Propostas discutidas em Conferência vão embasar elaboração do inédito Plano de Segurança Alimentar e Nutricional

Publicado há

em

Pelo menos 300 pessoas participaram na última quinta-feira (26) da 4ª Conferência Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional, realizada pela secretaria de Agricultura e Abastecimento de Rio Preto e pelo COMSEA – Conselho Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional, com o apoio da Câmara Intersecretarial de Segurança Alimentar e Nutricional – CAISAN.

Com o tema “Agricultura Familiar como agente de transformação na alimentação saudável e o caminho para a erradicação da fome”, o evento foi realizado no Instituto de Pesca, dentro da programação da 11ª Aquishow Brasil. “A razão de uma conferência como esta é trocar experiências, debatermos e trabalharmos coletivamente por meio do protagonismo da sociedade, que define o que é melhor para ela.  Nosso objetivo é chegar a um plano com começo, meio e fim, que seja desenvolvido até o longo prazo”, disse o prefeito Edinho Araújo durante a cerimônia de abertura.

A conferência foi organizada a partir de três eixos temáticos, que, uma vez debatidos, darão subsídio para elaboração do inédito Plano Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional (PlanSan). 

Ainda no período da manhã, o representante da Organização para a Alimentação e Agricultura da ONU no Brasil dr. Rafael Zavala falou sobre o protagonismo da agricultura familiar no combate à fome e na garantia de alimentação saudável.

“Parabenizo a gestão em São José do Rio Preto pela maneira como planeja, organiza e desenvolve políticas públicas como essa, integrando com sinergia as várias áreas em que a questão da segurança alimentar toca. É alentador estar com uma plateia tão engajada e participativa, que com o poder público constrói as soluções para termos alimentação de qualidade para todos”, ressaltou Zavala. 

A conferência foi gratuita e aberta ao público, mediante inscrição prévia. Deste modo, todos os participantes tinham relação direta com o tema, fosse por serem pequenos agricultores familiares, organizações e entidades socioassistenciais, doadores de alimentos parceiros ou agentes públicos.

Para o secretário de Agricultura e Abastecimento de Rio Preto Pedro Pezzuto, contar com o prestígio da FAO/ONU sinaliza a assertividade do trabalho desenvolvido nos últimos anos. “É importante lembrar que a organização da política pública de segurança alimentar no município começou ainda em 2017, com a idealização do que hoje conhecemos como o Programa Alimenta Rio Preto”, destacou.

De lá para cá, o orçamento destinado à garantia de alimentação saudável e suficiente foi reorganizado, centralizado e otimizado, passando de R$ 2 milhões para quase R$ 50 milhões. 

Também participaram da cerimônia o presidente do COMSEA Ricardo Sanches; a coordenadora de Segurança Alimentar e Nutricional Ana Beatriz Bronca; o presidente da Câmara Municipal vereador Pedro Roberto; e o vice-prefeito e secretário de Planejamento Orlando Bolçone.

À tarde, 60 pessoas previamente inscritas foram distribuídas em três grupos de trabalho, para discutir propostas para o PlanSan. Os temas abordados foram:

EIXO 1: A insegurança alimentar como ponto de partida para políticas públicas eficientes: análise da realidade local, seus impactos e desdobramentos na elaboração do PlanSan;

EIXO 2: Elaborando políticas públicas locais para o fomento da Agricultura Familiar: como o apoio ao homem no campo interfere diretamente no fornecimento de alimentos saudáveis, garantindo o direito humano à alimentação em quantidade e qualidade;

EIXO 3: Alimentação saudável e a educação alimentar: os desafios para a implementação de projetos de alimentação saudável como mecanismos de saúde pública.

Para a professora Maria Rita Marques de Oliveira (Unesp/Botucatu), referência em segurança alimentar e nutricional, “é alentador que os municípios estejam se organizando em torno desse tema”, comentou. 

A pesquisadora lembrou que se em 2014 o Brasil havia saído do Mapa da Fome fazendo com que tivéssemos um alívio quanto à alimentação precária, hoje, após as mudanças de hábitos provocadas pela pandemia, o empobrecimento da população e o enfraquecimento das garantias sociais, o desafio é enfrentar o problema da obesidade, da má nutrição e novamente da fome.

As informações sobre a Conferência estão disponíveis no site. A palestra ministrada pelo dr. Zavala pode ser acessada na íntegra.

AS 10 MAIS LIDAS