Redes Sociais

Cidades

Rio Preto tem a 4ª menor perda de água tratada no país, apontam estudos

A classificação insere o município no grupo com padrões de excelência em perdas de água

Publicado há

em

Rio Preto tem a 4ª menor perda água tratada no país, segundo estudos do Instituto Trata Brasil divulgado nesta quarta-feira, 1/6, com dados do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento – SNIS. A classificação insere o município no grupo com padrões de excelência em perdas de água.

Somente oito dentre os 100 municípios mais populosos do Brasil atendem às metas da Portaria nº 490/2021 do MDR – Ministério do Desenvolvimento Regional que prevê até 25% em perdas na distribuição e de 216 L/ligação/dia, até 2034. São eles: Petrópolis, Campinas, Limeira, Rio Preto, Taboão da Serra, Campo Grande, Aparecida de Goiânia e Goiânia. As perdas da água produzida pelo Semae são da ordem de 20,32%. Desse total, 9,32% são perdas comerciais, ou seja, problemas nos hidrômetros e fraudes. Outros 11% são perdas físicas.

O novo estudo “Perdas de Água Potável (2022, Ano Base 2020): Desafios para a Disponibilidade Hídrica e ao Avanço da Eficiência do Saneamento Básico” foi feito a partir de dados públicos do ano base 2020 e contempla uma análise do Brasil, das 27 Unidades da Federação e as cinco regiões, bem como as 100 maiores cidades – os mesmos municípios do Ranking do Saneamento Básico.

O Semae tem um Programa Permanente de Redução de Perdas. A autarquia tem atuado na substituição de tubulações e de ramais, que hoje são em torno de 185 mil, em 2.200 quilômetros de rede. Também foram intensificadas as ações educativas sobre o uso racional da água.

 Historicamente, o Semae trabalha no combate às perdas comerciais. Por meio do banco de dados da autarquia, são identificadas possíveis áreas com fraude. Uma equipe de fiscais vai até o local e, constatada a fraude, é aplicada multa e corrigida a irregularidade. O Semae também faz renovação periódica do parque de hidrômetros, na ordem de 20 mil por ano, com garantia de qualidade e altíssimo índice de desempenho, evitando dessa forma a submedição.

 Os leituristas do Semae foram treinados para que, além da sua atividade básica de leitura do medidor, verificassem também a existência de vazamento de água na ligação, na calçada ou na rua. Em seguida, é feita a correção. A ação ampliou o combate às perdas com resultados muito positivos. Mensalmente, pelo projeto, são reparados em média 1.500 vazamentos.

O Semae também possui 550 macromedidores instalados na cidade. Os equipamentos servem para verificar a vazão que passa pelas tubulações em tempo real e para calcular o volume de água captada e distribuída pela autarquia. Esse volume é comparado com o consumo medido pelos micromedidores (hidrômetros). A diferença é demonstrada pelo fator de pesquisa, para a identificação de áreas com vazamento. A autarquia realiza ainda serviço de varredura por geofonamento noturno, essencial para a identificação de locais onde ocorrem as perdas.

“O combate às perdas é um esforço permanente do Semae. No próximo dia 5, comemoramos o Dia Mundial do Meio Ambiente. Cuidar da água que é retirada da natureza, evitando desperdícios e perdas, é um compromisso da autarquia com a preservação ambiental. A água é um bem preciso que não pode ser desperdiçado”, declarou Nicanor Batista Jr., superintendente do Semae.

Perdas no Brasil

Em pleno século 21, o maior país da América Latina, o Brasil, ainda registra grande ineficiência na distribuição da água potável pelas cidades. Quase 40,1% de toda água potável captada não chega de forma oficial às residências do país, o que representa um volume equivalente a 7,8 mil piscinas olímpicas de água tratada desperdiçada diariamente.

Mesmo considerando apenas os 60% deste volume que são de perdas físicas (vazamentos), estamos falando de uma quantidade suficiente para abastecer mais de 66 milhões de brasileiros em um ano, equivalente a 30% da população brasileira em 2020. Esse volume seria, portanto, mais que suficiente para levar água aos quase 35 milhões de brasileiros que até hoje não possuem acesso nem para lavar as mãos.

AS 10 MAIS LIDAS