Redes Sociais

Cidades

Polícia Federal cumpre mandados de busca e apreensão em Votuporanga

Ação visa combater comércio ilegal de produtos importados

Publicado há

em

Divulgação/Polícia Federal

Durante operação denominada ‘Oryza’ realizada nesta quinta-feira (13), a Polícia Federal de Jales cumpriu nove mandados de busca e apreensão em Votuporanga. O foco é o combate ao comércio ilegal de produtos importados, principalmente aparelhos celulares.

Além de diversos equipamentos eletrônicos, desacompanhados da documentação legal de importação e selos da Anatel, também foi apreendido um veículo com placas do Paraguai. Os mandados foram cumpridos em cinco endereços comerciais e em quatro residências. Grande quantidade de mercadorias de origem estrangeira, desacompanhadas de documentos de importação foram apreendidas. Elas são consideradas objetos de crime de ‘descaminho’. Todo o material será encaminhado para a Receita Federal em Jales, onde as investigações serão conduzidas.

Outro fato que chamou a atenção foi a apreensão de um veículo com placas do Paraguai, que vinha sendo utilizado por um suspeito para transitar em Votuporanga. O envolvido também responderá inquérito policial devido à importação ilegal do automóvel. A circulação de veículos do Paraguai no país só é permitida em casos especiais como turismo, devendo o motorista comprovar que reside no país estrangeiro.

Os equipamentos, na maioria, são telefones celulares e serão contabilizados e periciados no interesse das investigações em curso.

A investigação busca esclarecer a prática de crimes, além de possível associação criminosa. Os crimes são praticados por quem ilude, no todo ou em parte, o pagamento de direito ou imposto devido pela entrada, saída ou consumo de mercadoria quando vende, expõe à venda, mantém em depósito ou, de qualquer forma, utiliza em proveito próprio ou alheio, no exercício de atividade comercial ou industrial, mercadoria de procedência estrangeira que introduziu clandestinamente no País ou importou fraudulentamente ou que sabe ser produto de introdução clandestina no território nacional ou de importação fraudulenta por parte de outrem.

Também pratica o crime quem adquire, recebe ou oculta, em proveito próprio ou alheio, no exercício de atividade comercial ou industrial, mercadoria de procedência estrangeira, desacompanhada de documentação legal ou acompanhada de documentos que sabe serem falsos. A soma das penas máximas dos crimes pode chegar a 7 anos de reclusão, além do perdimento das mercadorias e das consequências na área fiscal. (Com informações da PF/Colaborou Bia Menegildo)

 


Agentes recolhem material em lojas de Votuporanga. Imagens: Divulgação/Polícia Federal

AS MAIS LIDAS