Redes Sociais

Cidades

Rio-pretense tem R$ 50 mil de prejuízo em golpe do anúncio de veículo clonado

Plataforma utilizada para realização da artimanha, como quase sempre, foi o ‘Market Place’ do Facebook

Publicado há

em

Divulgação/Ilustrativa

Um administrador de 59 anos é mais vítima de golpe já conhecido nos meios policiais, que consiste no estelionatário copiar anúncio de veículo, lançar um novo, mas com valores bem abaixo dos praticados no mercado, e intermediar a ‘venda’ para a vítima, enganando assim tanto o comprador quanto o verdadeiro proprietário. Pior para o comprador sempre, que, neste caso, ficou com prejuízo de R$ de R$ 50 mil.

Na delegacia, o administrador relatou que “negociou a compra de um caminhão pelo Market Place do Facebook. O intermediador [não identificado] ‘ajudou’ na negociação com o proprietário, que se apresentou como parente do intermediador. Aceitou as condições do negócio e, acreditando que estava pagando para a pessoa correta, enviou via Pix as importâncias de R$ 35 mil e R$ 15mil”.

Ocorre que, como – quase – sempre nesse tipo de golpe, descobriu-se depois que o intermediador não era parente do proprietário, que foi levado ao erro para confirmar tal parentesco. Normalmente o criminoso afirma que “facilita a negociação se confirmar que é parente dele”. O veículo não foi entregue, porque obviamente o dono não recebeu nada e alegou “ser também vítima”.

O estelionatário trocou mensagens com os dois pelo WhatsApp (DDD 011) e passou uma chave Pix, que se refere a conta de uma mulher (provavelmente uma ‘laranja’ que ’empresta’ conta para os criminosos, recebendo uma parte dos lucros como pagamento). Após faturar o dinheiro, os bandidos bloqueiam as vítimas no celular e no aplicativo de mensagens.

As mensagens trocadas entre as vítimas e o infrator, além dos comprovantes das transferências serão apresentados pelo administrador no 5º Distrito Policial de Rio Preto, onde o caso será investigado. Os rio-pretenses foram orientados quanto ao prazo de seis meses que possuem para processar os criminosos. Este tempo só passa a contar quando eles forem devidamente identificados.

AS MAIS LIDAS