Cultura

Defensoria Pública pede fase vermelha e apenas serviços essenciais para Rio Preto

Documento com essa posição foi enviado pela Defensoria Pública de Rio Preto para a Prefeitura e para o governo do estado; para a Defensoria, apenas a fase 1 pode controlar a pandemia

 

A Defensoria Pública defende que Rio Preto retroceda para a fase 1, cor vermelha, no Plano São Paulo de Flexibilização da Quarentena. O defensor público Júlio Tanone afirma que o estrangulamento do sistema hospitalar de Rio Preto e de toda a região faz a Defensoria acreditar que esse é melhor caminho. Documento com esse pedido foi enviado ao Governo do estado e à Prefeitura de Rio Preto. Na fase 1, vermelha, apenas os serviços essenciais podem abrir. Farmácias, hospitais e supermercados.

Dois argumentos usados pela Defensoria são o aumento dos casos entre 1º de junho, que eram 731, para 9.438 dia 31 de julho, 60 dias depois. No período os óbitos chegaram a 248. O outro é o estrangulamento do sistema hospitalar da cidade que chegou a 100% de ocupação de seus leitos de UTI.

Os defensores Davi Quintanilha Failde de Azevedo, Daniela Batalha Trettel, Fernanda Penteado Balero e Júlio Tanone apontam que "a situação vivenciada em São José do Rio Preto demanda o emprego urgente de medidas de prevenção, controle e contenção de riscos, danos e agravos à saúde pública".

Por esse motivo, eles acreditam que critérios mais rígidos e medidas drásticas, como o retorno ao funcionamento dos serviços essenciais, é necessário. O documento também diz que não é necessário flexibilizar as regras de circulação de pessoas e de atividades econômicas.

Por Rubens Celso Cri em 04/08/2020 16:30