Redes Sociais

Cultura

Janeiro da Comédia: Desajustada é atração nesta quinta-feira (24)

Peça terá sessão única no Teatro Paulo Moura, às 20h, com entrada franca

Publicado há

em

O espetáculo Desajustada, da Cia Pé de Vento Teatro, de Florianópolis/SC, é a atração do palco principal do Janeiro Brasileiro da Comédia 2022 (JBC), nesta quinta-feira, 24, às 20h, o Teatro Municipal Paulo Moura.

Com duração de 50 minutos e classificação indicativa de 14 anos, Desajustada é um espetáculo cômico e sem palavras, que utiliza o ridículo exacerbado de uma mulher condicionada ao seu cotidiano para refletir sobre uma estrutura social limitante. Gags, pitadas de mágica, truques e pequenas ilusões colaboram para apresentar o panorama de um território ora patético, ora bombástico.

A criação e performance é de Vanderleia Will, com direção de Lily Curcio/Seres de Luz Teatro. A entrada é gratuita e a retirada de ingressos é uma hora antes, no local.

Ainda nesta quinta, mais cedo, às 16h, no CEU das Artes Aristides dos Santos, terá a última apresentação de “A Revolução dos Bichos”, da Cia Apolíptica, de Rio Preto, no JBC 2022. Confira a programação completa do festival em:  www.riopreto.sp.gov.br/2022jbc .

  PROGRAMAÇÃO JANEIRO DA COMÉDIA – QUINTA E SEXTA, 24 E 25/3

ESPETÁCULO DESAJUSTADA – Cia Pé de Vento Teatro – Florianópolis/SC

24/3, quinta-feira, 20h – Teatro Municipal Paulo Moura

Duração: 50 minutos

Faixa etária recomendada: 14 anos

Sinopse: Desajustada é um espetáculo cômico e sem palavras que utiliza o ridículo exacerbado de uma mulher condicionada ao seu cotidiano para refletir sobre uma estrutura social limitante.

Gags, pitadas de mágica, truques e pequenas ilusões colaboram para apresentar o panorama de um território ora patético, ora bombástico.

Workshop

Palhaçaria e comicidade física

25/3, sexta-feira, 10h às 13h – Casa de Cultura Dinorath do Valle

Programa: Por meio de jogos e brincadeiras, técnica teatral, improvisações, em busca dos estados de confiança, entrega, concentração e escuta com o próximo, um tempo de experimentações direcionadas à descoberta, do que poderíamos chamar de nossa criança interior, ou nosso estado de ser brincante, de sentir e se afetar com as dinâmicas propostas.

Pretende-se colaborar para que o aluno se veja mais e melhor, com a liberdade de ser o que verdadeiramente se é, e descobrir seus limites mais internos e principalmente suas potencialidades ocultas, muitas vezes adormecidas pelo tempo.

Um espaço de liberdade e encontro com nossa personalidade mais dilatada e ridícula, ingênua e atrevida, sua forma de pensar e ver o mundo.

Público: Profissionais e estudantes das artes cênicas e pessoas interessadas na arte do palhaço, acima de 18 anos, com disposição para o trabalho físico (com ou sem experiência em palhaço ou teatro).

Capacidade: Até 20 pessoas.

ESPETÁCULO – A REVOLUÇÃO DOS BICHOS – Cia Apocalíptica – São José do Rio Preto

24/3, quinta-feira, 16h – CEU das Artes Aristides dos Santos

Duração: 70 minutos

Faixa etária recomendada: Livre

Sinopse: Em rememoração aos 70 anos de morte de George Orwell (1903 – 1950) a Cia. Apocalíptica traz para a cena uma de suas principais obras, A Revolução dos Bichos, que nessa montagem utiliza-se de elementos das fábulas, das sátiras e dos musicais para trazer uma reflexão sobre nosso contexto político atual, tendo como premissa um grupo de animais revolucionários, que eram constantemente maltratados pelos humanos, e tomam o poder de uma fazenda organizando um regime igualitário e justo no local. O equilíbrio é ameaçado, porém, por uma dupla de porcos totalitários que executa um novo e tirano golpe de Estado.

 Workshop

Palhaçaria e comicidade física

25/3, sexta-feira, 10h às 13h – Casa de Cultura Dinorath do Valle

ESPETÁCULO UM MUSICAL DE PALHAÇAS – CADA UMA NO SEU QUADRIL –As Marias da Graça -Rio de Janeiro

25/3, sexta-feira, 20h – Teatro Municipal Paulo Moura

Duração: 45 minutos

Faixa etária recomendada: 14 anos

Sinopse: A montagem revela os bastidores de um teste para musical através da vivência de três palhaças. Nesta nova investida do grupo, conhecido pelo pioneirismo em seus projetos, as palhaças Geni Viegas, Karla Concá e Samantha Anciães mostram-se multifacetadas com uma encenação que mescla dança, canto e a linguagem circense para revelar as dores e as delícias que é passar pela audição de um musical.

A comicidade e a singeleza da palhaça, somada à expressividade corporal dos números de dança garante um espetáculo dinâmico e engraçado ao expor os desafios e as conquistas dos artistas no desenrolar de um dia de avaliação cênica.

 

Workshop

Metodologia da dramaturgia na palhaçaria feminina

26/3, sábado, 10h às 13h – Casa de Cultura Dinorath do Valle

Programa: Abordagem da metodologia do grupo e pontuação da diferença entre a dramaturgia da palhaçaria feminina e a palhaçaria tradicional.

O workshop visa esclarecer, compartilhar e trazer a tona essa (nova) dramaturgia da palhaçaria

feminina. Como é criar um espetáculo a partir do que se tem, em essência, e de quem se é.

Espera-se como resultado o impulsionamento dos debates sobre o tipo de humor que se faz na

palhaçaria e as formas de superar abordagens violentas e preconceituosas nas dramaturgias tradicionais.

Público:  Palhaças/os, atores, atrizes e estudantes de teatro, a partir de 15 anos.

Capacidade: Até 20 pessoas.

ESPETÁCULO SABIÁS DO SERTÃO – Cia Cênica – São José do Rio Preto

25/3, sexta-feira, 18h30 – Teatro Municipal Nelson Castro

26/3, sábado, 18h30 – Centro Cultural Vasco

27/3, domingo, 20h – Praça dos Esportes e da Cultura – Distrito de Engenheiro Schmitt

Duração: 70 minutos

Faixa etária recomendada: Livre

Sinopse: O espetáculo trata dos expoentes da música caipira, Cascatinha & Inhana, primeira dupla sertaneja formada por marido e mulher que, em sua trajetória, reverencia com primazia a cultura de raiz, o ser, estar e viver artista, o prazer da canção e do encantamento.

O circo e o rádio, presentes na trajetória da dupla, são trazidos à cena por uma companhia ambulante de teatro, com artistas rapsodos (trovadores) que contam, vivem, tocam, dançam e cantam um pouco da vida e muito do rico repertório de toadas, guarânias, rasqueados, boleros, rancheiras e canções imortalizadas nas vozes destes “sabiás do sertão”.

 

AS 10 MAIS LIDAS