Redes Sociais

Cultura

Sesc Rio Preto recebe exposição da 35ª Bienal de São Paulo

Com um recorte pensado especialmente para a cidade e correalizada pelo Sesc São Paulo, a mostra abre para o público no dia 5 de março

Publicado há

em

A cidade Rio Preto será palco de um dos recortes da 35ª Bienal de São Paulo – coreografias do impossível, em parceria com o Sesc São Paulo. A mostra desembarca na cidade em 5 de março e permanecerá até 26 de maio. Com curadoria de Diane Lima, Grada Kilomba, Hélio Menezes e Manuel Borja-Villel, a exposição foi um sucesso em 2023, recebendo aclamação tanto do público quanto da crítica. Este ano, a mostra se expande para catorze cidades, e São José do Rio Preto receberá um recorte especial com doze artistas participantes: 

Aurora Cursino dos Santos 

Carmézia Emiliano 

Colectivo Ayllu 

Frente 3 de Fevereiro 

Januário Jano 

Katherine Dunham 

Luana Vitra 

Marilyn Boror Bor 

Maya Deren 

Rommulo Vieira Conceição 

Ubirajara Ferreira Braga 

Zumví Arquivo Afro Fotográfico 

A 35ª Bienal de São Paulo – coreografias do impossível explora as complexidades e urgências do mundo contemporâneo, abordando transformações sociais, políticas e culturais. A curadoria busca tensionar os espaços entre o possível e o impossível, o visível e o invisível, o real e o imaginário, dando voz a diversas questões e perspectivas de maneira poética. A coreografia, entendida como um conjunto de movimentos centrados no corpo que desafia limites, considera diversas trajetórias e áreas de atuação, criando estratégias para enfrentar desafios institucionais e curatoriais. As coreografias do impossível geram suas próprias relações, tempos e espaços, oferecendo uma experiência marcante aos visitantes. 

Para os curadores, é crucial que a exposição alcance mais cidades, transcendendo os limites do Pavilhão da Bienal. Segundo eles, “os debates propostos pela 35ª Bienal atravessam inúmeros territórios de todo o mundo; assim, que as coreografias do impossível não estejam restritas ao Pavilhão da Bienal é de extrema importância para o trabalho realizado”. 

Andrea Pinheiro, presidente da Fundação Bienal de São Paulo, destaca a relevância do programa de mostras itinerantes. Ela afirma: “Levar as coreografias do impossível para mais cidades e com um parceiro tão importante quanto o Sesc é de extrema importância para o fortalecimento das instituições culturais do Brasil. A troca de experiências entre públicos e instituições é uma das grandes riquezas das itinerâncias da Bienal de São Paulo”. 

“Por meio dessa mostra, o Sesc e a Fundação Bienal reiteram sua parceria, mutuamente comprometida com o fomento de vivências significativas a partir da fruição das artes visuais contemporâneas, para variados públicos. Dando sequência a uma iniciativa de mais de uma década, o presente recorte da exposição possibilita mais uma vez que módulos itinerantes circulem por unidades do Sesc no interior paulista”, afirma Luiz Deoclécio Massaro Galina, diretor do Sesc São Paulo.  

  Sobre a Fundação Bienal de São Paulo 

Fundada em 1962, a Fundação Bienal de São Paulo é uma instituição privada sem fins lucrativos e vinculações político-partidárias ou religiosas, cujas ações visam democratizar o acesso à cultura e estimular o interesse pela criação artística. A Fundação realiza a cada dois anos a Bienal de São Paulo, a maior exposição do hemisfério Sul, e seu programa de mostras itinerantes, que viaja por diversas cidades do Brasil e do exterior.

A instituição é também guardiã de dois patrimônios artísticos e culturais da América Latina: um arquivo histórico de arte moderna e contemporânea referência na América Latina (Arquivo Histórico Wanda Svevo), e o Pavilhão Ciccillo Matarazzo, sede da Fundação, projetado por Oscar Niemeyer e tombado pelo Patrimônio Histórico. Também é responsabilidade da Fundação Bienal de São Paulo a tarefa de idealizar e produzir as representações brasileiras nas Bienais de Veneza de arte e arquitetura, prerrogativa que lhe foi conferida há décadas pelo Governo Federal em reconhecimento à excelência de suas contribuições à cultura do Brasil. 

35ª Bienal de São Paulo – coreografias do impossível 

Programa de mostras itinerantes – Sesc Rio Preto 

Curadoria: Diane Lima, Grada Kilomba, Hélio Menezes e Manuel Borja-Villel 

Abertura: 5 mar, 19h30 

Visitação: 6 mar – 26 mai 2024  – ter – sex, 13h – 21h30 / sáb, dom, feriados, 10h – 18h30 

Local: Sesc Rio Preto – Av. Francisco das Chagas Oliveira, 1333 

Entrada gratuita 

AS MAIS LIDAS