Redes Sociais

Economia

Venda de veículos segue a todo vapor

De um lado, crescimento na venda de veículos novos em junho deste ano registra aumento de 13,7% em comparação com o mesmo período do ano passado. E do outro lado, mas na mesma direção, venda de seminovos também se mantém crescente

Publicado há

em

Seja veículos novos, seminovos ou usados. O brasileiro não quer mais depender apenas de transporte porte ou simplesmente andar a pé. A venda de veículos no Brasil segue em ritmo acelerado. De acordo com a Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores), em junho, foram emplacadas 189.229 unidades de automóveis e comerciais leves, contra 166.416 no mesmo mês do ano passado. O que representa um crescimento de 13,71%. Já no acumulado do ano, ou seja, no primeiro semestre – janeiro a junho –, esses segmentos cresceram 4,25%. No total foram comercializadas 991.475 unidades de janeiro a junho deste ano, contra 951.098 no mesmo período do ano passado. Vale ressaltar que esse é primeiro resultado semestral positivo desde 2013.

Se o segmento de veículos novos tem bom motivo para comemorar, o mercado de seminovos e usados têm vários. As vendas de automóveis, comerciais leves e veículos pesados (caminhões e ônibus) usados cresceram quase 10% de janeiro a junho, somando 5,2 milhões de unidades. Esses dados são da Federação das Associações de Revendedores de Veículos Automotores (Fenauto), que revela ainda que a maior alta ocorreu entre modelos com até três anos de uso, chamados de seminovos. Foram vendidas 2,8 milhões de unidades, 23,7% a mais ante o primeiro semestre de 2016.

Em períodos de turbulências financeiras e políticas, o seminovo passou a ser o protagonista de um grande negócio, oferecendo qualidade de um novo com preço acessível. Segundo Gilson Mateus, de 34 anos, que tem uma loja de vendas de veículos seminovos no bairro Quinta das Paineiras, em Rio Preto, e que soma 12 anos de experiência no mercado de venda de automotivos, o momento é ótimo para o setor e também para quem vai comprar o veículo. “Na hora que a pessoa tira um carro zero quilômetro da loja já há uma desvalorização. O seminovo por várias condições é vantajoso. Isso sem contar que já vem com o IPVA pago. Em média, a pessoa paga de 20 a 30% a menos no usado do que pagaria no novo. Muitos carros estão ainda na garantia de fábrica, impecável e com baixa quilometragem. Tenho modelos com 20milkm, 10mil km e até com 4mil km”, ressalta ele.

Ainda de acordo com Gilson, as condições de pagamento do seminovo e do usado também são um atrativo a parte. É possível encontrar uma maneira de pagar o carro de acordo com orçamento do comprador, sem prejudicar o bolso, por meio de consórcios ou financiamentos, além de oferecer o carro usado como parte do pagamento. “Tenho clientes que compraram um usado e voltaram para comprar o seminovo por essas vantagens que falamos, o consumidor compra um carro impecável, desembolsando menos que o carro zero quilômetro”, afirma.

O gerente Marcio Fuzinato, de 34 anos, faz parte da estatística de clientes que optaram pelacompra de um carro seminovo no primeiro semestre deste ano. Ele está com grande parte do dinheiro para a compra, poderia negociar um modelo zero quilômetro, mas prefere o seminovo por poder desfrutar de todos os benefícios do carro, como se fosse o novo, mas sem pagar a mais por isso.

“Você gasta mais simplesmente para tirar o carro zerinho da concessionária. Comprando o modelo seminovo vou ter o mesmo produto, com todos os opcionais, vantagens, mas com preço mais barato. Quero um modelo de até 20, 30 mil quilômetros rodados. Não quero agradar meu ego tirando um carro zero, quero agradar o meu bolso, gastando menos com a mesma qualidade, sem comprometer o orçamento e ainda podendo usar o dinheiro que iria para o novo em outras coisas”, afirma Fuzinato.

Atendimento personalizado e fidelização

Osmar Antônio Manchin, de 56 anos, conhecido como Mazola, é proprietário da Mazola Automóveis – com 22 anos de mercado –, em Rio Preto, afirma que, mesmo o Brasil passando por uma crise econômica, conseguiu manter o movimento de negócios na empresa focando em atendimento personalizado e fidelização dos clientes. “Acredito que não passamos por tantos problemas e dificuldades nessa crise devido ao número de clientes fiéis e funcionários que se dedicam diariamente à empresa”. Mazola afirma ainda que trabalha sempre acreditando que o país vai melhorar economicamente dia após dia e, por isso, consegue manter uma marca forte no mercado de carros seminovos.

AS 10 MAIS LIDAS