Redes Sociais

Economia

Procon-SP quer que Netflix explique cobrança para compartilhamento de senhas

Empresa no Brasil foi notificada pelo órgão

Publicado há

em

O Procon-SP notificou a empresa Netflix Entretenimento Brasil LTDA. solicitando explicações sobre notícias relatando que a plataforma estuda, depois de testes realizados em países latinos, cobrar valores adicionais de assinantes que compartilham suas senhas.

A empresa deverá apresentar as seguintes informações:
– como e em quais localidades os testes foram realizados;
 – quais os critérios utilizados para escolha dos assinantes testados; 
– se os consumidores foram informados de forma prévia sobre a realização da verificação e, em caso positivo, como se deu a comunicação;
 – como o consumidor é informado das condições da contratação, especialmente quanto ao compartilhamento de dados e acessos; 
– se tem meios para comprovação de que os dados de acesso foram cedidos voluntariamente pelos assinantes e não por meio de vazamento de dados;
–  como comprovará que o acesso está sendo realizado fora da residência do assinante.

O Procon-SP também quer saber se a Netflix pretende aplicar essa cobrança adicional no Brasil e, em caso positivo, quando será implementado, como se dará o acesso adicional e quais valores serão cobrados. 

Questões contratuais também deverão ser esclarecidas como, por exemplo: se há disposição contratual de que o consumidor poderá indicar limite máximo de endereços diferentes para acessar a assinatura sem cobrança adicional; se entende como descumprimento dos termos de condições de uso ou de contrato os casos em que o consumidor tem domicílios múltiplos, como o endereço residencial, casas de veraneio, pernoites em seu local de trabalho – podendo assim usufruir dos serviços em localidades diversas – e, no caso de contestação do assinante quanto ao compartilhamento de acesso, quais providências serão adotadas.
 
 A Netflix deverá informar ainda quais procedimentos são aplicados para coibir que terceiros se utilizem do acesso do assinante sem seu consentimento ou autorização. 

A empresa tem até o dia 22 de março para responder aos questionamentos do Procon-SP.

AS 10 MAIS LIDAS