Esportes

Triatleta rio-pretense disputa UB515 Brasil Ultra Triathlon

Serão 10 km de natação, 421 de ciclismo e 84,4 km de corrida

A triatleta rio-pretense Marilza Saldanha, de 55 anos, da Briani Assessoria Esportiva, disputa entre os dias 15 e 17 deste mês, em Paraty, o UB515 Brasil Ultra Triathlon. O UB515 Brasil é disputado nos mesmos moldes do Ultraman Havaí. No primeiro dia, os atletas nadam 10 km e pedalam 145 km. No segundo, mais 276 km de bike e, no terceiro, correm a distância de duas maratonas (84,4 km), totalizando os 515 km que dão nome a prova. Marilza, que é advogada,  treinou muito para competir em Paraty. Sua última competição na modalidade foi em setembro de 2019, quando participou do Campeonato Mundial de Iron 70.3, em Nice, na França.

Marilza falou sobre o momento que o mundo vive no mundo do triathlon e sua preparação para encarar esse mega desafio. “Com a pandemia em 2020 não houve provas de triathlon. Todas as que eu estava inscrita foram adiadas para 2021 e agora recentemente adiaram para 2022. Em fevereiro de 2021 resolvi me permitir viver um sonho: treinar para o Ultraman Brasil. Começamos a preparação já com um bom volume, pois a prova seria realizada em abril desse ano. Mas ai adiaram várias vezes até esta data agora”, conta a super-atleta que vai encarar na sexta-feira, dia 15, 10 km de natação em mar aberto e 145 km de ciclismo. No sábado, dia 16, ela pedala 276 km e no domingo corre a dupla maratona, os 84,4 km.

Treinos intensos

Foram muitos meses e muitas horas de treinos intensos, em Rio Preto. “Minha rotina mudou consideravelmente,  pois  aumentaram minhas horas de treino e não diminuiu minhas horas de trabalho. Tive que acordar cada vez mais cedo para conseguir fazer todos os volumes de treino desde o início do ano quando me candidatei para fazer o UB515”, afirmou Marilza. Não é qualquer atleta que participa dessa competição. É preciso passar pelo crivo da organização. Ela foi convidada e passou por uma longa entrevista com os organizadores.

Sendo profissional liberal, ela teve que conciliar todos os meus afazeres particulares e ainda encaixar os longos treinos nesses meses. “Para mim já estou bem feliz e chegar na prova e encaixar tudo que eu treinei será maravilhoso. Os finais de semana dos últimos meses foram sempre a mesma rotina: longo de natação, longo de bike e longo de corrida. Descansar, trabalhar e começar tudo novamente. Dificilmente consegue ter vida social. Numa prova que reúne três esportes com toda a logística que envolve, o atleta precisa ter dois staffs, com carro de apoio acompanhando toda a competição. Ele precisa ser auto suficiente”.

Superar limites

Marilza falou sobre suas expectativas. “O desejo sincero do meu coração é cruzar a linha de chegada, vencendo a mim mesma, vencer todas as dores, cansaço e cruzar a linha com um sorriso de gratidão por todas as pessoas que estiveram comigo, me apoiando e incentivando.  Para 2022 já estou inscrita no Iron 70.3 que acontecerá no mês de abril e o Ironman Brasil que será em maio, ambos em Florianópolis”.

Numa prova como essa de ultraendurance é impossível ou muito difícil você treinar sem o apoio da família e a parceria com alguns profissionais e empresas. “Tenho a sorte muito grande de ter apoio da minha família e de pessoas sensacionais que me deixam pronta e preparada para aguentar a rotina de treinos. Nos últimos meses não teve um único dia que não pensei nessa prova, me dediquei aos treinos, procurei sempre fazer o meu melhor, com o que eu tinha no momento e farei o meu máximo em cada dia de competição para ser merecedora de cruzar aquele pórtico e me tornar uma Ultraman”.

 

Por Henrique Fernandes em 08/10/2021 00:19