Nacional

Ministro pede para a Procuradoria apreender telefone e interrogar Jair Bolsonaro

Ele promete que até às 17h desta sexta-feira que vai liberar o vídeo da reunião ministerial do dia 22 de abril; não adiantou se vai liberar todo o vídeo os apenas parte dele

 O ministro do Supremo Tribunal Federal, Celso de Mello, enviou três notícias crimes à Procuradoria Geral da República, PGR, contra Jair Bolsonaro e seu filho, vereador Carlos Bolsonaro. Ele pede à PGR para avaliar a possibilidade de interrogar o presidente e apreender os celulares dele e do filho para uma perícia. As queixas crimes são resultado de ações propostas no Supremo pelo PDT, PV e PSB. O pedido faz parte de uma investigação para saber se o presidente interferiu politicamente na Polícia Federal. Cabe ao procurador Augusto Aras decidir se acata o pedido. Ele não tem prazo para se manifestar.

O pedido do Ministro causou mal-estar no Palácio do Planalto e no Congresso Nacional. Alguns deputados federais disseram que o Ministro extrapola o seu poder. O deputado federal Marcos Feliciano, PSL, chegou a dizer que pedir para periciar o celular do presidente da República chega a ser “alta traição”. Ele fez essa declaração em sua conta do twitter. 

Embora seja para apurar denúncias contra interferência política na Polícia Federal esse processo não tem nada a ver com o aberto a partir das denúncias do ex-ministro Sérgio Moro. O filho do presidente, Carlos Bolsonaro, disse que ninguém pede ou quebra o sigilo dos telefones do advogado e outras pessoas ligadas à Adélio Bispo, autor da facada contra o presidente da República durante a campanha presidencial, mas pede do presidente da República.

Mello disse no despacho em que pede que os celulares sejam apreendidos que, embora na hierarquia as autoridades estão acima dos outros cidadãos, diante das leis eles são iguais aos outros e que ninguém está acima delas. Nem o presidente da República. O ministro disse ainda que antes das 17h desta sexta-feira libera o vídeo da reunião presidencial em que Jair Bolsonaro teria dito que ia interferir politicamente na Polícia Federal.

Por Rubens Celso Cri em 22/05/2020 14:10
TerrasAlphaville