Nacional

Blocos podem se inscrever para carnaval de São Paulo a partir do dia 15

Prefeitura da capital tem trabalhado para que o evento aconteça e seja o maior de toda a história, atraindo mais de 15 milhões de foliões para as ruas da cidade

 

Os blocos que desejarem participar do carnaval de rua de 2022 na cidade de São Paulo podem fazer suas inscrições na prefeitura, pela internet, entre os dias 15 de outubro e 5 de novembro. A informação foi divulgada hoje (5) pela prefeitura paulistana. Segundo a administração municipal, a prioridade será dada aos blocos tradicionais de rua da cidade. O edital para os patrocinadores será divulgado no dia 18 de outubro.

A prefeitura de São Paulo apresentou hoje, em entrevista coletiva, informações sobre como deve ocorrer o carnaval de rua na capital paulista em 2022. A prefeitura tem trabalhado para que o evento aconteça e seja o maior de toda a história, atraindo mais de 15 milhões de foliões para as ruas da cidade. No entanto, a realização do carnaval vai depender do cenário da pandemia de covid-19, podendo até ser cancelado caso uma nova variante surja e a situação epidemiológica piore.

“Esse cenário [epidemiológico] nós vamos ter que acompanhar para, no momento adequado, dar a autorização sanitária para que esse evento, com mais de 15 milhões de pessoas, aconteça. Mas a prefeitura não poderia se furtar a iniciar o planejamento. O evento adverso [que prejudicaria a realização do carnaval] seria o surgimento de uma nova variante, o que hoje nós não temos”, disse o secretário municipal da Saúde, Edson Aparecido. “Um conjunto de fatores será analisado. Se eles não forem favoráveis, não daremos autorização para a realização do evento”, disse.

Segundo ele, por ser um evento muito grande, não haverá como cobrar dos foliões um comprovante de vacinação. Mas a prefeitura espera que mais de 90% de sua população esteja completamente vacinada até outubro.

Estudo

Durante a entrevista, a prefeitura apresentou um estudo que demonstrou o grande crescimento do carnaval de rua na cidade, especialmente após o ano de 2017. Em 2014, por exemplo, havia 200 blocos desfilando nas ruas da capital. Em 2017, esse número saltou para 400. Já no ano passado havia 644 blocos. A quantidade de público também acompanhou esse aumento e saltou de 200 mil pessoas em 2014 para 3,5 milhões em 2017 e 15 milhões em 2020. Neste ano de 2021, o carnaval foi cancelado na cidade de São Paulo por causa da pandemia.

Com a divulgação desse estudo, a prefeitura espera fazer uma melhor preparação para o carnaval de rua, evitando a concentração de pessoas em um só espaço. Por isso, tem calculado a área do desfile e realizado uma estimativa de densidade do público.

“A comissão se dedicou a fazer um levantamento e uma estimativa de densidade de público para cada trajeto e com isso conseguir fazer planejamento mais adequado da infraestrutura necessária”, disse o secretário municipal das Subprefeituras, Alexandre Modonezi.

Ontem (4), o prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes, disse que há uma grande possibilidade de a cidade de São Paulo ter Carnaval no próximo ano. Isto, no entanto, alertou o prefeito, vai depender dos indicadores relacionados à covid-19 que deverão estar em queda.

“A tendência hoje é que tenha o carnaval. Muito provavelmente, teremos carnaval. Isso se continuar com os dados de hoje [da pandemia], com aumento da vacinação e queda do número de óbitos. Se continuar assim, vamos ter Carnaval”, disse ele.

Em setembro, o prefeito já havia autorizado que os preparativos para a realização do carnaval na cidade de São Paulo fossem iniciados. No entanto, na ocasião, a prefeitura informou que a realização do Carnaval só seria permitida se pelo menos 70% da população paulistana estivesse vacinada contra a covid-19 e se houvesse autorização dos órgãos municipais, tal como a Secretaria Municipal da Saúde.

Não à discriminação e à violência

O carnaval de rua de São Paulo em 2022 pretende combater a violência contra a mulher, o racismo e a LGBTfobia. Para isso, deve distribuir adesivos e construir tendas, com equipes multidisciplinares, para atender os foliões. A prefeitura também vai distribuir pulseiras de localização para as crianças.

“Dentro das tendas haverá uma área de localização para as crianças que se perderam durante a folia. Os pais, quando levarem as crianças, já coloquem as pulseiras antes para poder facilitar a localização durante o carnaval”, disse a secretária de Direitos Humanos e Cidadania, Claudia Carlleto,

Por Da Redação em 05/10/2021 14:30