Redes Sociais

Política

Violência em UPA escancara crise na saúde de Rio Preto

Dois boletins de ocorrência foram registrados por dano qualificado ao patrimônio público em unidades da cidade

Publicado há

em

A Unidade de Pronto Atendimento (UPA Norte), que fica na região norte de Rio Preto, ganhou as páginas policiais nesta semana. O motivo? A falta de médicos e descaso no atendimento, que estaria excessivamente demorado.A falta de segurança para os profissionais provocou a ira do presidente do Sindicato dos Médicos Hubert Eloy Richard Pontes, o Beleloy, que criticou duramente a secretária de Saúde, Terezinha Pachá.

“Nossos médicos estão sendo atacados. Isso é reflexo de uma péssima gestão comandada pelo prefeito Valdomiro Lopes, que levou sua secretária (Terezinha) para o mesmo caminho”, afirmou o médico.Segundo o sindicalista, a secretária de Saúde teria apresentado dados falsos para suspender a greve da categoria, que luta por melhores condições de trabalho, plano de cargos e salários e segurança em todas as unidades de saúde.

“A Terezinha teve a cara de pau de mentir na Justiça para conseguir suspender a greve da categoria. Ela disse que daria condições de trabalho, mentiu que faria um plano de cargos e salários e mente sobre várias outras situações, como por exemplo, a segurança nas Unidades de Pronto Atendimento”, ressaltou.Em um dos casos registrados na polícia, na última terça-feira (dia 6), o mototaxista M.A.F., insatisfeito com o atendimento prestado a sua mulher acabou preso por dano qualificado ao patrimônio público, resistência e desacato. Ele quebrou a chutes uma pia que fica no corredor do ambulatório e, também, a porta de um consultório, além de atirar uma cadeira na direção de uma médica que atendia no local.

Já na madrugada da última quarta-feira (dia 7), o desempregado G.S.M., de 44 anos, também teria se irritado com o atendimento recebido na UPA Norte, e chegou a arrombar uma das portas do local. Ele foi encaminhado ao Plantão Policial, onde o delegado Marcelo Goulart da Silva, arbitrou fiança no valor de R$ 1 mil, que foi paga e o homem liberado.Recentemente a secretária Terezinha Pachá afirmou que espera que os guardas municipais aprovados em concurso público assumam os postos para que todas as unidades de saúde passem a contar com os profissionais. A reportagem da Gazeta de Rio Preto tentou contato com Terezinha por celular, porém ela não atendeu as ligações.

 

AS 10 MAIS LIDAS