Redes Sociais

Política

Câmara aprova e Prefeitura terá orçamento de R$ 1,8 bi em 2018

Vereadores aceitam proposta do Executivo e texto passa com 13 votos favoráveis; quatro emendas do Legislativo também são incorporadas à matéria

Publicado há

em

A Câmara de Rio Preto aprovou por 13 votos a 1, na sessão desta terça-feira, dia 28, o orçamento do município para 2018, no valor de R$1,8 bi.  O  projeto é o primeiro formulado pela nova gestão do prefeito Edinho Araújo (PMDB) e o montante vai ser distribuído em setores da administração, como obras, despesas com saúde e educação, pagamento dos salários dos servidores municipais, além de possíveis novos investimentos na cidade.

A matéria recebeu quatro emendas e foi aprovada por unanimidade, quanto à legalidade e agora vai ser submetida à segunda votação, agora quanto ao mérito, para entrar em vigor. As emendas, para serem incorporadas ao texto, precisam da sanção do prefeito Edinho Araújo. Elas são genéricas, com os autores não especificando projetos e obras que deverão ser contemplados.

As quatro emendas ao texto foram apresentadas pelos vereadores Paulo Pauléra (PP), que indica a reserva recursos para realização de eventos e atividades culturais; de Cláudia de Giuli (PMB), que pretende separar uma fatia dos recursos para implantação do Registro Gerais de Animais e esterilização de cães e gatos; de Pedro Roberto (PRP), para aplicação na recuperação de mananciais e de Marco Rillo (PT), para garantir aquisição de aparelhos de raios-X para unidades da rede municipal de saúde.

GUARDA MUNICIPAL

Os vereadores derrubaram o veto do prefeito Edinho Araújo (PMDB) ao projeto do vereador Celso Peixão (PSB) que autorizava a Guarda Civil Municipal a fazer horas extras. Por 12 votos a 1 a Câmara mantém a matéria, que agora volta às mãos do Executivo.

Já o projeto do vereador Fábio Marcondes que pretendia “rebatizar” a guarda com o nome de “Polícia Municipal de São José do Rio Preto” recebeu pedido de vista do próprio autor, que pediu que o texto volte à pauta depois de decisão do Tribunal de Justiça (TJ-SP), que analisa questão semelhante.

 

 

AS MAIS LIDAS