GAZETA DIGITAL ISSUU - Gazeta de Rio PretoISSUU - Gazeta de Rio Preto

Política

Vereadores aprovam criação da Semana Municipal de Combate ao Feminicídio

A sessão foi realizada na noite de terça-feira, dia 10, no auditório da Câmara de Rio Preto

Os vereadores aprovam na sessão de terça-feira, dia 10, projeto do vereador Luiz Celso Peixão, do PSB, que institui no município a Semana Municipal de Combate ao Feminicídio. O objetivo da proposta é mobilizar a cidade contra a violência doméstica que leva ao feminicídio de parte das mulheres agredidas. A semana deve propor uma série de debates sobre o assunto e como as mulheres devem se prevenir das agressões que possam levar ao feminicídio. O feminicídio é o assassinato de uma mulher por questões passionais. Geralmente, ele acontece dentro da residência da vítima. A Secretaria da Mulher deve ficar responsável pela elaboração das políticas que implementem a Semana.
Os vereadores aprovaram ainda outro projeto do vereador Peixão. Ele institui o dia do DJ. Cerca de 20 DJs da cidade estavam presentes na Câmara. A aprovação contou com a referência de vários desses profissionais da cidade. Vários vereadores se pronunciaram lembrando de momentos importantes de suas vidas em que um DJ participou.  
O vereador Renato Pupo, do PSD,  aprovou a declaração de Utilidade Pública Municipal ao Instituto Mudar, Ong dirigida por Fernanda Sansão. Ele é responsável pela arborização das principais vias públicas da cidade e já plantou milhares de mudas de árvores nativas no município. A família Sansão, incluindo o senhor Nelson Sansão, estavam presentes à sessão. A família foi homenageada por vários vereadores que se revezaram para agradecer a ação de reflorestamento e de conscientização que ela promove no município. Até mesmo o vereador Marco Rillo, sempre avesso à empreiteiros, homenageou a família. Macio Sansão, filho de Nelson e irmão de Fernanda, já foi vereador na Câmara de Rio Preto. A declaração de utilidade pública vai possibilitar ao Instituto Mudar receber ajuda do Poder Público.
Projeto do vereador Jorge Menezes, do PTB, que determina a padronização ecológica dos lotes vagos dentro da cidade foi aprovado em primeira votação. Deveria voltar a ser discutido e votado mais uma vez, quanto ao mérito. Mas o próprio vereador pediu ao presidente Paulo Pauléra para adiar a volta dele ao Plenário para a segunda votação porque acredita que será contemplado na revisão do Plano Diretor. Menezes disse que conversou com o secretário do Planejamento, Israel Cestari e que ele pode incluir essa proposta na revisão do Plano. Menezes quer que todos os lotes vagos recebem o plantio de grama para que ajudem na absorção da água da chuva e evitem enchentes. Hoje muitos proprietários desses lotes acabam impermeabilizando o terreno e a água não é absorvida contribuindo para as enchentes que ocorrem na cidade no período de chuva. 
Também foi acatado pelos vereadores veto parcial do prefeito Edinho Araújo à uma Lei do vereador Fábio Marcondes, do PL.  O projeto obriga a colocação de dispositivos de segurança nas piscinas destinadas a aulas de natação. O projeto foi motivado pela morte de um aluno de uma escola de natação da cidade que foi sugado pelo sistema de filtragem e limpeza da piscina. O veto refere-se à parte da fiscalização pelo município e quanto á expedição do alvará para funcionamento das escolas. Até mesmo o vereador Fábio Marcondes votou pela manutenção do veto. 
Projeto da vereadora Karine Karoline, do PRB, que institui o Dia Municipal do Agente de Saúde foi adiado por causa da ausência da autora. Ao final da sessão veio a informação que um parente próximo de Karina Caroline morreu, motivo da ausência. Deverá voltar para ser apreciado em outra sessão.

Por Rubens Celso Cri em 11/09/2019 às 11:30
TerrasAlphaville