Política

Sob pressão, secretário deve retomar trajetos desativados por conta do novo terminal

O presidente da Câmara de Rio Preto, Paulo Pauléra, se reuniu com Amaury Hernandes que prometeu estudar o assunto e os novos corredores de ônibus

Os ônibus do transporte coletivo podem voltar a fazer as rotas e itinerários que faziam antes da inauguração do novo Terminal de Ônibus Urbano. Na quinta-feira, dia 13, o secretário municipal de Trânsito, Amaury Hernandes, e o presidente da Câmara, Paulo Pauléra, do PP, se reuniram na sede da secretaria. Após o encontro, Pauléra anunciou um estudo para analisar essa possibilidade. Ao longo da semana tanto Pauléra quanto outros vereadores recebem reclamações de comerciantes e prestadores de serviços que têm estabelecimentos em ruas que deixaram de receber os ônibus. Pauléra alega que existem pelo menos três pontos na região central que precisam ser reativados. “O faturamento caiu pelo menos 50% e prejudica o comerciante, o consumidor e o município que arrecada menos impostos”.

Hernandes admite o estudo. “Vamos fazer um estudo, e verificar se é possível atender aos comerciantes, pois o miniterminal perdeu a função”. No entanto, ele alega que “o ônibus teria que cruzar a linha do trem, gerando espera para os passageiros” e que os outros pontos estão sendo “analisados”. Os “outros pontos” que o secretário se refere é o retorno dos pontos e uma readequação no funcionamento dos corredores de ônibus, também tratado na reunião.

Os comerciantes e prestadores de serviços reclamam que os consumidores desapareceram depois que os ônibus deixaram de circular e parar nas proximidades da avenida Bady Bassit e Coronel Spínola (próximo a empresas de moto peças, revenda de motos, do Supermercado Dias Pastorinho, Loja Têxtil), na marginal entre a estrada de ferro e a rua Pedro Amaral (com acesso a Estação Rodoviária e à rua Pedro Amaral), na Philadelpho Gouveia Neto (atrás do Palestra e próximo a revenda de veículos usados) e na Antônio de Godoy (entre a Pedro Amaral, Prudente de Moraes  e a Siqueira Campos).

Os comerciantes alegam que o retorno dessas rotas não atrapalha o trânsito, não aumenta o período de tempo que os ônibus levam para fazer o percurso e não inviabiliza o embarque e desembarque no novo Terminal. Um dos comerciantes que esteve com o presidente da Câmara afirma que “os consumidores desapareceram e as ruas próximas à rodoviária ficaram desertas”. Ele esteve na Câmara com um grupo de empresários dizendo que no trecho da Antônio de Godoy entre as ruas Pedro Amaral e a Siqueira Campos eles vão fechar as portas.

Demissão em massa

O vereador Peixão, PSB, foi além: revelou que a Loja Têxtil (Pedro Amaral ao lado do miniterminal do Pastorinho) mantinha 120 funcionários, demitiu 80 e está com apenas 40 registrados em carteira e que eles podem ser dispensados. “A loja vai fechar”.

 Pauléra vai pelo mesmo caminho: “o comércio é a galinha dos ovos de ouro da cidade. Não podemos matá-la”, enfatiza. Hernandes disse a Pauléra que “o trânsito e os novos itinerários ainda estão sendo analisados porque o novo Terminal foi inaugurado há pouco tempo”, e o trânsito vem sendo observado.

Na reunião os dois discutiram ainda o funcionamento dos novos corredores de ônibus. Pauléra acredita que eles precisam passar por uma adequação. Hernandes disse apenas “que os outros assuntos estão sendo estudados”. Na última sessão, dia 11 de fevereiro, o assunto foi discutido. Renato Pupo, do PSD, disse que “eles causaram um transtorno na cidade”. Jean Dornelas, sem partido, fez coro e falou dos problemas que eles estão causando para o trânsito e para o comércio. “Existe corredor que fica 12 minutos sem tráfego de ônibus e os carros espremidos em duas faixas”, afirmou Pupo.

Por Rubens Celso Cri em 13/02/2020 23:59
TerrasAlphaville