Política

Celi Regina acredita que arrependimento do voto em Bolsonaro levará eleitor a votar na esquerda

Celi Regina foi a entrevistada de hoje na sabatina realizada na redação do jornal Gazeta de Rio Preto

A entrevistada de hoje na sabatina realizada na redação do jornal Gazeta de Rio Preto foi a candidata Celi Regina, PT.  Ela defendeu o isolamento social, a retomada das aulas com proteção de profissionais da educação e alunos e que o conteúdo do ano letivo de 2020 seja reposto em 2021. Disse que a cidade precisa de mais vagas em creches, e afirma que além do apoio do ex-presidente Lula, outras estrelas petistas a apoiam. Citou o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad, o ex-ministro da Saúde, Alexandre Padilha e desmentiu que a esquerda não teve uma Frente Ampla em Rio Preto por culpa do PT.

Ela negou que a Frente Ampla de esquerda na cidade, inicialmente pensada para lançar apenas um candidato a prefeito, não tenha existido por causa do PT. Falou que o PT acredita em um candidato próprio e, de preferência, uma mulher. “As mulheres precisam ter voz própria e o PT nunca teve uma candidata mulher a prefeito de Rio Preto”, lembrou.

“A direita nunca lançou um candidato único eleições locais”, frisou. Por fim, sobre esse assunto, ela lembrou que a cidade tem dois turnos. Ou seja: a esquerda pode se unir em torno de um candidato caso um deles vá para a próxima fase. Para ela, é importante que as várias denominações da esquerda tenham voz. Embora, lembra ela, as plataformas são muito parecidas.

A candidata revelou que o partido, desde o início da pandemia de coronavírus, propõe lockdown e um sério isolamento social para controlar a doença. Para ela, esse foi o erro da área de Saúde em Rio Preto. “Faltou uma testagem massiva para se obter os caminhos e controlar a doença”, afirmou. Por outro lado, ela elogiou a qualidade de algumas áreas do serviço de saúde pública. Para ela, o problema começa na hora da busca pela especialidade. O atendimento secundário. Ela disse temer que no orçamento do ano que vem tenha menos dinheiro para o atendimento primário e haja problema. O prefeito teria cortado do orçamento uma parte do dinheiro para o primeiro atendimento.     

Celi também falou de educação. Ela é professora aposentada depois de 32 anos de atuação escola pública. Diz que a Educação, embora vá ter mais dinheiro em 2021, ele não vem das entradas diretas de impostos. Mas, das transferências feitas pelos governos estadual e federal. Para ela, a aprovação do Fundeb (Fundo de Desenvolvimento Educação Básica) foi fundamental para garantir a chegada do dinheiro previsto. Disse, no entanto, que no ano que vem a educação terá que ser totalmente repensada e que os alunos deverão ter o conteúdo do ano letivo e do ano de 2020 perdido com a pandemia. Ela também criticou a volta das escolas especiais. Defende que os alunos com dificuldades especiais estudem juntos para a integração social e não para a marginalização.

A candidata do PT também acredita que devemos ter uma nova postura do eleitor em relação aos grupos bolsonaristas. Para ela, parte dos eleitores do Jair Bolsonaro e da direita se arrependeu e não deverá votar na direita novamente. Por isso, acredita que tenha votos suficientes. Disse que as estrelas do PT talvez não venham presencialmente apoiar sua candidatura por causa da pandemia já que estão evitando fazer campanha de rua.

Para Celi, os eleitores de Rio Preto têm motivos para votar nela e no partido. O PT, diz, tem um grande legado de infraestrutura em Rio Preto e cita a Estação de Tratamento de Esgoto, ETE. Durante o governo Dilma Rousseff também foram viabilizados empréstimos para o programa de Mobilidade Urbana.

Ao contrário de outros candidatos que falam em buscar água a longa distância, Celi disse que o problema em Rio Preto é a tubulação velha, de décadas, e a perda de 27 litros de água a cada 100 que são tratados. Ela também acredita que devemos prevenir as queimadas e que temos estrutura para isso. Sobre a Vila Itália, considerada a única favela da cidade, ela acredita que passou da hora da Prefeitura construir casas decentes para aquelas pessoas e tratá-las como se trata os moradores dos condomínios fechados.

Outra questão para à professora Celi é a eleição para a Câmara Municipal. Ela afirma que os atuais vereadores não cumprem o papel de fiscalizador do prefeito e dos gastos públicos. Eles correm atrás de atividade exclusivas do Executivo como construir lombadas, por exemplo. As três atuais vereadoras cumprem um bom papel, mas ela acredita que as mulheres da Câmara devem se preocupar com as políticas públicas voltadas o público feminino. Ela diz que as mulheres são 52% do eleitorado, mas o machismo estrutural as leva a votar em homens. Acredita, no entanto, que as atuais vereadoras se voltam para assuntos mais amplos por causa de seus partidos.

Por outro lado, avalia negativamente o governo Edinho.  Admite, por exemplo, que existem quesitos que funcionam bem. Cita o setor da Vigilância Epidemiológica da Secretaria da Saúde. Entretanto, mesmo nesse setor, há muito que fazer, segundo ela. E elogia o SUS. “Já pensou se o país não tivesse o SU?”, pergunta.

A ex-vereadora acredita numa renovação na Câmara Municipal. “Precisamos pesquisar, conhecer, para oferecer nosso voto para uma pessoa séria, transparente”, diz. O PT tem apenas 13 candidatos a vereador e, entre eles, três mulheres.

Celi Regina foi a sétima entrevista realizada com candidatos a prefeito da cidade, pelo jornal Gazeta de Rio Preto. Segunda-feira, dia 19, às 11h, a série de entrevistas será retomada com o candidato Carlos Arnaldo.

Veja a entrevista completa de Celi Regina clicando aqui.

Por Rubens Celso Cri em 16/10/2020 14:58