Política

Confira os bastidores da política desta quinta-feira, dia 31 de dezembro

O jornalista Rubens Celso Cri traz na coluna Giro Político as principais notícias da política

Prefeito 15 + 1

Edinho Araújo, MDB, assume nesta sexta-feira o 4º mandato de prefeito de Rio Preto. Também tomam posse os 17 vereadores. Na sequência, o prefeito reeleito dá posse os 21 secretários, superintendente do Semae, subprefeitos e diretores de empresas públicas.  Os vereadores empossados elegem a Mesa Diretora. Presidente, vice, 1º e 2º secretários. Ao final de 2024 Edinho terá sido o único político a governar Rio Preto 16 anos. A cidade vai completar 172 anos de fundação. O 2º colocado é Manoel Antunes. Prefeito 10 anos. 

7 dos 17

Entre os 17 vereadores que vão tomar posse, seis começam o 1º mandato. A exceção é João Paulo Rillo. Ele foi vereador antes de ser deputado estadual. Tomam posse os novatos Robson Ricci, Republicanos, Bruno Moura, PSDB, Bruno Marinho, Patriotas, Odélio Chaves, PP, e o Cabo Júlio Donizete, PSD. E o empresário Rossini Diniz, assume como suplente no lugar do vereador Fábio Marcondes, que assume a secretaria de Esporte.  

Definido

O prefeito Edinho Araújo e o vice eleito, Orlando Bolçone, decidiram tomar posse de forma virtual no dia 1° de janeiro, às 10h. A decisão deve causar um efeito cascata e levar os vereadores a fazer o mesmo.

Solucionado

A pressão de vereadores e após sugestão do Ministério Público a Mesa Diretora da Câmara Municipal decidiu que vereadores e prefeitos podem tomar posse virtual, pela internet. O MP e alguns vereadores não concordam que no momento em que a pandemia de Covid recrudesce apenas a Câmara funcione e promova aglomeração durante o lockdown decretado para sexta, sábado e domingo pelo governo do estado. Ainda assim, a Câmara vai permitir que o vereador que desejar, tome posse presencial. Sem convidados. O prefeito também decidiu que a posse dos secretários, presidentes e diretores ocorrerá no mesmo formato (virtual), também no dia 1° de janeiro, às 12h.

As restrições

Nenhum vereador poderá levar convidados, os funcionários necessários à posse serão reduzidos ao máximo e a Mesa Diretora “sugere” que a imprensa credenciada para o evento faça o trabalho a partir da transmissão da TV Câmara. Hoje com o advento das mensagens de texto e voz é possível ouvir as fontes presentes ou remotas, checar informações e fazer entrevistas. Eu faço as perguntas por escrito e eles respondem por mensagem de voz. Mas o que acontece fora da janela do monitor (TV) não será possível ver. Nesse caso, as fontes de cada jornalista serão os mensageiros.  

Romani reconhece que Regimento é Lei

Em entrevista a uma emissora de rádio dada nesta quarta-feira, o promotor Carlos Romani disse que o momento é excepcional e justifica a necessidade da posse virtual. Por outro lado, admitiu que o Regimento Interno que determina a posse presencial é Lei. Todo político sabe o que acontece com ele quando ele descumpre a Lei. Romani disse esperar que, se a posse for virtual, que ninguém entre com ação contra os vereadores da Mesa Diretora por descumprir a regra. O doutor Romani precisa pedir isso aos outros promotores. Afinal, eles são responsáveis de zelar pela aplicação das Leis. Não alterar o Regimento no meio da pandemia e evitar essa situação foi um erro muito grave. Afinal, a pandemia vai completar 10 meses. Ninguém percebeu a bomba relógio que estava armada. Foi taxativo: “recomendação não é ordem”.

Forte, sem padrinho

Quando Fabiana Zanqueta foi informada que não continuaria à frente da secretária da Habitação especulou-se que ela estava sendo descartada. Ao deixar o Republicanos para permanecer no governo, durante a eleição municipal, teria mostrado um perfil de infidelidade. Políticos não gostam de infiéis. Via de regra, quando necessário, elas repetem o gesto. Na segunda-feira ela foi anunciada a nova secretária de Educação. Zanqueta é a exceção.

Caiu para cima

Na verdade, Zanqueta caiu para cima. Jargão de jornalista. Vai assumir a pasta com o maior orçamento. São R$ 400 milhões, mais de cem escolas e mais de 2 mil funcionários. A Saúde, o 2º maior orçamento do ano que vem, terá R$ 387 milhões. O Orçamento de 2021 da Prefeitura está previsto em R$ 2 bilhões. Destes, quase 50% ficam com as duas pastas. As outras 19 secretarias e empresas públicas ficam com o restante. O jornalista Rodrigo Carraro, que acompanhou o trabalho dela na secretaria da Habitação, afirma que ela “é muito competente”.

Exemplo traumático

Um certo diretor da Receita Estadual Regional Rio Preto estava nadando de braçada multando sonegador. Fazia o maior sucesso. Capas de jornais. População aplaudindo. Não demorou muito para enfrentar um deputado estadual do mesmo partido do governador. Ele era financiado com doações legais dos multados, em suas campanhas eleitorais. Ficaria muito mal destituir um funcionário público exemplo e competente. A solução foi derrubá-lo para cima. Foi promovido, recebeu um cargo em São Paulo e melhorou o salário. Deixou a diretoria regional e as multas pararam. Para não ficar mal com a opinião pública, foi derrubado para cima. Como reclamar? 

Puxando o tapete

Mesmo vetado pelo partido, Patriotas, o vereador Pedro Roberto mantém sua candidatura à presidência da Câmara e continua cabalando votos. A eleição é logo após a posse, dia 1º de janeiro, sexta-feira, às 10h. Segundo o presidente do diretório municipal do partido e secretário dos Serviços Gerais, Ulisses Ramalho, a decisão foi para evitar um racha interno. O outro vereador eleito, Bruno Marinho, se declarou candidato a vice em outra chapa. Outros militantes dizem que Bruno se declarou candidato à presidência. Pedro Roberto entra no 5º mandato. Bruno vai começar o primeiro. Pedro, portanto, sai candidato sem o respaldo do partido. Ulisses disse que, caso Pedro Roberto realmente se mantiver na disputa, não haverá punição. A conferir.

O troco

Nesse caso, o troco virá. Pedro, até pelo perfil, não será açodado. Quando chegar a hora, o golpe poderá ser forte e irreversível. Pedro Roberto é frio e calculista. Traça estratégias. Nervos de aço. Está calmo. Ele diz que o tempo vai tratar de resolver a fissura interna. Pedro não é italiano. Mas prefere a vingança servida fria. Vai saboreá-la com calma e muito prazer. Vai jogar sem alardes até o xeque mate.

Executivo, ok

Enquanto na Prefeitura o processo para a formação do time que vai tomar posse dia 1º está definido, resta a eleição para a Mesa Diretora da Câmara. Ela é responsável por definir o que é votado ou empurrado para frente, postergado, engavetado, etc... Portanto, é um colegiado fundamental para que o prefeito execute o que prometeu em campanha. Oficialmente, temos um candidato à presidência da Mesa e da Câmara: Pedro Roberto, Patriotas. No entanto, Paulo Pauléra, PP, é o favorito. Mesmo que não tenha vindo a público anunciar a candidatura.

Reserva de luxo

Mesmo que não tenha anunciado sua candidatura, outra possibilidade para evitar um impasse e um racha na base do prefeito, pode aparecer um terceiro nome: Jean Charles. Foi presidente, é uma das referências éticas e morais da Casa. Mas circularam informações que ele prefere se dedicar mais à família nos próximos anos. No entanto, Jean Charles é, literalmente, um soldado. Tenente Coronel. Difícil uma pessoa com esse perfil não cumprir o que lhe cabe ou fugir da briga. Na PM, Jean também é reserva. Nome dado à aposentadoria dos militares.

Fim da fila

As últimas nomeações do Executivo deverão ser Jean Dornellas, diretor do Procon, Rodrigo Juliano permanece na direção da Empresa Municipal de Urbanismo, Emurb, e o Coronel Carlos Lamin fica à frente da Defesa Civil. Dornellas não foi reeleito vereador. Também não foi anunciado oficialmente. Ontem nenhuma nova nomeação foi anunciada pelo gabinete do prefeito. Dornellas é advogado especialista em relações de consumo e defesa do consumidor. E de quebra, atua na Justiça do Trabalho. Até o fechamento dessa edição, o prefeito não havia definido o nome do subprefeito de Schmitt. Pauléra e o vereador Celso Peixão brigam pela indicação. Pauléra já emplacou um dos seus, subprefeito de Talhado.  

Longe dos políticos

A Emurb é uma espécie de subprefeitura do Centro de Rio Preto. Ela administra a rodoviária, o terminal de ônibus urbano, o calçadão, e 100% das praças públicas. De quebra, junto com o Trânsito e Transporte, é responsável pela fiscalização das empresas de transporte coletivo urbano. Monitora e autua as duas empresas concessionárias por descumprimento de regras como pontualidade, número de ônibus em circulação, lotação além do limite e é parte do seleto grupo que define o preço das passagens. Em 2021 não haverá aumento da passagem para o usuário. 

Aperitivo

Nota pública editada pelo vereador eleito João Paulo Rillo pedindo que a posse e eleição sejam virtuais é um pequeno aperitivo do que o prefeito Edinho Araújo vai enfrentar. Contém críticas severas. Ele fará uma oposição tão ou mais qualificada do que a do Marco Rillo, o pai. João domina a palavra como nenhum outro, é um orador contundente, tem cultura geral, trabalha documentado e tem uma língua que não difere em nada de uma adaga árabe. No segundo mandato do prefeito Edinho Araújo ele foi vereador, e conseguiu fazer a Câmara rejeitar as contas do prefeito. Isso obrigou Edinho a continuar atuando com liminar obtida na Justiça. À época, ele conseguiu mudar dois votos da base do prefeito.  Nilson Silva e Jair Afonso. Nenhum dos dois foi reeleito.

Por Rubens Celso Cri em 31/12/2020 01:53