Política

Confira os bastidores da política desta sexta-feira, dia 22 de outubro

O jornalista Rubens Celso Cri traz na coluna Giro Político as principais notícias da política

De Pedro Amaral a Pedro Roberto

Terça-feira (26) é mais uma data para entrar para a nossa história. É a primeira vez em 127 anos que a Câmara de Rio Preto realiza de forma regular duas sessões por semana. A primeira, ainda em 1894, foi realizada por Pedro Amaral, PRP, e a nova fase que começa será inaugurada por outro Pedro. Desta vez, o Roberto, Patriota. Coincidência ou não, Patriota era PRP, legenda rio-pretense de nascimento.

Éramos 10 mil

Um censo mostrou que em 1900 Rio Preto tinha 10 mil habitantes. Mil na Vila e nove mil na zona rural. Se estendia de Santa Adélia a Rubinéia, para além de Santa Fé do Sul, da Usina de Marimbondo (Icem) ao Tietê (Barbosa), território que hoje tem 102 municípios e mais de 1 milhão de pessoas. Precisou chegar aos 500 mil habitantes e ser reduzida a poucos quilômetros para fazer com assiduidade, o que devia estar fazendo há muito tempo. Não podia ser duas sessões em um único dia útil. O povo, essa antimatéria, não é necessário. 

No bolso

O jogo vai ser pesado. Todos olhando. As regras deverão ser observadas. O Artigo 233, que permite ausência ou licença, prevê essa possibilidade de ausência apenas para quando o vereador estiver comprovadamente doente, em missão em nome da Câmara, por interesse particular sem receber salários ou aquele que for escolhido secretário municipal. Nessa nova fase para ir ao banheiro o vereador terá que ter licença ao Plenário. Caso contrário, perde 1/15 avos no salário (R$ 400).

HC Preventivo automático

O interessante no Artigo, no entanto, já estava lá, bem escondidinho: é um Habeas Corpus Preventivo concedido aos vereadores a eles mesmos. Diz o Inciso 3º no parágrafo 4º: “Independentemente de requerimento (solicitação), considerar-se-á como licença o não comparecimento do Vereador às sessões, quando privado de sua liberdade, temporariamente, em virtude de processo criminal em curso”. Se alguém tivesse sido acusado, condenado e preso no caso das rachadinhas, o mandato estaria garantido e não haveria o vexatório desconto.

Bruno Alckmin

Para não votar a favor de uma moção de repúdio ao governador João Doria, PSDB, proposta pelo vereador João Paulo Rillo, Psol, o vereador Bruno Moura, PSDB, deixou o Plenário mais uma vez. A informação inicial é que Moura votaria a favor do repúdio. A moção acabou derrotada por 8 a 7, com ajuda do voto do vereador Renato Pupo, PSDB. A proposta de repúdio foi apresentada contra o projeto que mudou a previdência dos funcionários estaduais. Pupo entendeu o recado do partido dado a Moura. E começa a se ajeitar na base.

João Perde Perde

A moção foi apresentada por João Paulo Rillo em um acordo feito com a base do prefeito. A base tem funcionários públicos estaduais que serão prejudicados. Portanto, ela topou o acordo, e Moura se ausentou para evitar que o episódio em que Carlão Pignatari, PSDB, pede sua expulsão do partido, se agrave. Cabo Júlio Donizete, da base e parte do acordo, morreu de rir quando João lhe confessou que perde até quando faz acordo.

A Record liberou

Um dos objetos da perseguição do projeto que instituiu duas sessões às terças-feiras, o vereador Robson Ricci, Republicanos, recebeu sinal verde da Record TV para trocar o dia de trabalho pelas sessões. Ele é jornalista. O outro alvo, Renato Pupo, disse que seu problema está resolvido na Justiça e que se aposenta em maio de 2022. No período ainda tem o recesso parlamentar. Quando a poeira baixar, o projeto vai prejudicar quem propôs, e de tal forma, que deverá se reconsiderado.

Sua Excelência não usa camiseta

Depois de cenas explícitas da festa do Bolinha, a direção da Câmara decidiu tomar uma providência e emitiu um comunicado oficial. O Regimento Interno da Casa no Artigo 230 determina que todos os vereadores homens devem usar paletó e gravata e as mulheres, trajes compatíveis. Nas últimas sessões, Cláudia de Giulli, MDB, usava uma camiseta de campanha, parecida com uma do dia-a-dia, e o vereador Paulo Pauléra, embora de paletó e gravata, ridiculamente trajava uma camiseta polo.

Os amigos

A Rádio Corredor em seu matutino especulou pelos guetos da Casa qual será o desconto que o vereador Paulo Pauléra, PP, terá em seu salário. Na última sessão, após ser derrotado na defesa de um projeto do prefeito Edinho Araújo, MDB, Pauléra se levantou e foi embora. “Os amigos da onça” fazem contas. Para ter a presença confirmada, e receber o salário integral, o vereador tem que votar 2/3 dos projetos da pauta da sessão.

Passaporte da vacina em Rio Preto

O vereador Luiz Celso Peixão, MDB, que pegou Covid-19 duas vezes, quer que apenas as pessoas que portam passaporte comprovando a imunização possam entrar em repartições públicas. Ele cobrou Pedro Roberto a adotar a medida na Câmara e pediu uma força para convencer o prefeito. Rio Preto tem milhares de pessoas que tomaram a primeira dose, desapareceram porque, segundo ele, acham que a pandemia acabou. Comitê de enfrentamento à doença disse que ainda não analisou a possibilidade.

Circulando

A Câmara Municipal realizou uma audiência pública na Paróquia do bairro Santo Antônio para discutir a renovação do contrato do transporte coletivo sem licitação por mais 10 anos anunciado pela Prefeitura. Os vereadores Pedro Roberto Gomes, João Paulo Rillo e Robson Ricci elogiaram a postura do secretário de Trânsito, Amaury Hernandes, que não fugiu do pau e encarou a discussão. A segunda reunião com a população foi na Escola Álvaro Luís Angeloni, no residencial Lealdade e Amizade. Mesmo sem ter relação direta com a história, quem marcou presença por lá foi o ex-vereador e atual diretor do Procon, Jean Dornelas.

É a outorga

Segundo João Paulo Rillo, Amaury Hernandes abriu o jogo do motivo pelo qual o contrato está sendo prorrogado por 10 anos. Ele disse aos moradores que para receber 100% da outorga que as empresas têm que pagar, o contrato tem que contemplar os 10 anos. Se for por apenas um ano, a outorga será cobrada apenas por esse período. Hernandes nunca havia dado essa informação antes da audiência. Os vereadores elogiaram Hernandes: mesmo com diferenças, ele compareceu, deu todas as explicações e foi o último a sair.

O risco

Outro dado que leva a Prefeitura a fazer a prorrogação do contrato, segundo Amaury, é apenas a possibilidade de não aparecer interessado. Caso a Prefeitura abra uma nova licitação, o contrato não pode ser legalmente prorrogado. Rillo disse que esse é o menor dos problemas: “feita a concorrência, e nenhuma empresa concorra, a Lei permite um contrato emergencial posterior. Para ele, esse deveria ter sido o caminho.

Pau pra toda obra

Amaury Hernandes não fugiu da audiência, compareceu, conversou com o usuário e fez um ótimo debate. Não convenceu aos vereadores. Eles continuam achando que a prorrogação é um presente e que o caminho era ter aberto esse debate há um ano. Agora a vaca foi para o brejo. 

Senta

O impoluto Anderson Branco, PL, fazia um discurso na Tribuna quando disse que pediu a construção de duas creches ao prefeito Edinho Araújo. Aparteado por Jorge Menezes, PSD, ouviu que vai precisar fazer um bilhetinho de próprio punho e colocar no pé de um santo. Sentar, rezar e esperar. Para Menezes, fazer uma promessa, jogar um sal grosso, fazer ioga, conversar com Buda e esperar mais um pouquinho, não funcionou. 

Pão com Mortadela

Bruno Moura fez uma festinha para as crianças e adolescentes que fazem parte do projeto esportivo de inclusão social Maquininha do Futuro que ele administra. Um gaiato gritou que ele deu pão com mortadela. Bruno, equilibrado, disse que este ano teve de tudo: cachorro quente, salgados, doces e refrigerantes, além dos brinquedos. E se lembrou orgulhoso quando fazia as festas do Dia da Criança e tinha apenas pão com mortadela e muita alegria. Convenientemente o lanchinho deixou de ser referência pejorativa aos petistas.

De saia

A nova secretária do Trabalho e Emprego, Adriana Romano, gestora financeira e fiscal, tomou posse na manhã desta quinta-feira (21) no lugar de Márcia Caldas, PSD, que pediu demissão. Edinho Araújo deu posse e Pedro Pezzuto, da Agricultura que respondeu interinamente pelo Trabalho, repassou o cargo. Eleuses Paiva, presidente municipal do PSD, estava presente, ao lado dos vereadores Cabo Júlio Donizete e Jorge Menezes.

Por Rubens Celso Cri em 22/10/2021 00:08