Redes Sociais

Política

Mãe de autista diz que secretária de Educação ‘não entende nada do assunto’

Ela ocupou a Tribuna Livre e disse que o município não cumpre duas leis que tratam do tema

Publicado há

em

Patrícia Nascimento Magnani, mãe de um aluno com Transtorno de Espectro Autista (TEA) disse durante o uso da Tribuna Livre na sessão da Câmara na tarde desta terça-feira (3) que a secretária de Educação, Fabiana Zanqueta, não cumpre a legislação para a inclusão e equidade na rede municipal de ensino. “Não entende nada do assunto”. 

Zanqueta esteve numa reunião de trabalho na manhã desta terça-feira na Câmara e disse que os vereadores precisam aprovar uma emenda para garantir na legislação as regras para regular a função de professores especializados para essa clientela. Patrícia diz que já existem duas leis municipais normalizando essa obrigação da Prefeitura. Uma de 2008 e outra de 2012.

Ela também desmentiu a secretária, que disse que a secretaria municipal prepara os professores que acompanham as crianças com necessidade especial. As professoras com cursos especializados fazem com dinheiro do próprio bolso e em cursos particulares. Ela apresentou uma dessas professoras que estava presente acompanhando sua explanação.
 

Na reunião na manhã de ontem, Zanqueta afirmou que a secretaria está preocupada com a inclusão das crianças. Mas Patrícia afirmou que a inclusão sem a equidade, que também é uma obrigação legal, não funciona. A inclusão abriga a criança, mas a equidade faz com que elas sejam educadas iguais às outras. 

 
 Ela fez um relato de mães que sofrem e não sabem o que fazer. Ela, com curso superior, tem condições de tratar a sua filha. Centenas de mães ficam desesperadas em saber o que fazer. As crianças com Dow, TDH e Espectro Autista têm tratamento diferenciado.

 
Ela também disse que as escolas particulares também descumprem a legislação. Sua filha saiu de uma escola particular, que não cumpre a Lei, e descobriu que na escola pública a situação é a mesma.
 

Além de professores especiais, as leis garantem uma unidade com pessoal da Saúde. Mas denunciou que os profissionais da Saúde (estagiários em psicologia) não são preparados e que acabam funcionando como auxiliares. “Eles dão comida, levam as crianças ao banheiro” e a função não é essa. “É ensinar”. 
 
O presidente da Comissão de Saúde, Renato Pupo (PSDB) decidiu que vai realizar uma audiência pública, com a presença de mais mães e da secretária, para continuar discutindo o problema, que é grande e grave.

AS 10 MAIS LIDAS