Redes Sociais

Política

Confira os bastidores da política desta sexta-feira, dia 14 de junho

Jornalista Bia Menegildo traz as principais notícias do poder regional

Publicado há

em

De novo

De volta à Câmara de Rio Preto, a equipe de Fábio Marcondes (PL) está passando por dificuldades para aprender a lidar com o novo sistema. Como tudo agora é digital, os assessores do vereador deram uma escorregada que foi rapidamente corrigida. O objetivo era entregar um parecer sobre um Projeto de Lei, já que Marcondes é membro da Comissão Permanente de Defesa e Direito dos Animais, mas acabou que jogaram no sistema como um Projeto de Lei Complementar. A falha foi corrigida no mesmo dia.

Escola

A dificuldade de usar o sistema quase levou a abertura de uma CPI. Recentemente, por desatenção, outros assessores de vereadores cometeram a mesma falha. Em uma delas, o ex-vereador Jean Dornelas (MDB) acabou contribuindo com uma assinatura para que uma investigação fosse aberta. A briga foi bem ampla, mas também estava em jogo se o advogado tinha ou não tinha concordado com o pedido de investigação. Precisou da Justiça definir que, apesar de ele ter contribuído, outras assinaturas deveriam ser desconsideradas.

Sem o Novo

Rafael Bernardo, pré-candidato a vereador pelo Novo, não economizou críticas ao deputado estadual Valdomiro Lopes (PSB). Recentemente, pelas redes sociais, o empresário editou uma imagem divulgada pelo pré-candidato a prefeito. Rafael Bernardo pegou a foto e fez um “X” em vermelho no nome do deputado que aparecia como pagador em uma representação de um cheque entregue a uma entidade. No lugar, o empresário escreveu “pagador de imposto”.

Textão

O pré-candidato do Novo não economizou nas palavras e deu uma aula sobre emendas parlamentares a Valdomiro. “É nobre e até uma obrigação do legislador a destinação de emendas parlamentares. Faz parte da prerrogativa. Porém quem assina esses cheques somos nós, população através dos altos impostos que somos taxados”, escreveu. Na sequência, o empresário desabafou: “Fazer política barata, escancarada, não orientando a população o óbvio, neste caso qual é a origem do dinheiro público, é muito oportunismo”.

Coro

Quem fez coro a Rafael Bernardo foi a outra pré-candidata Danila Azevedo (PL). Um pouco mais direta, a bolsonarista partiu para a ofensa e chamou Valdomiro de “cara de urso panda” completando que a atitude do deputado é um absurdo inaceitável. “Fazer graça com o dinheiro dos outros é uma delícia”, criticou Danila. Ambos partidos apoiam Fábio Cândido. No entanto, o ex-comandante do CPI-5 não está filiado, em nenhum deles.

Repetindo

Danila Azevedo tem sido uma das grandes puxadoras de Fábio Cândido, ao menos nas redes sociais. A pré-candidata a vereadora não se cansa de publicar que o ex-comandante é o pré-candidato a prefeito pelo PL e que o vereador Fábio Marcondes (PL) é o pré-candidato a vice-prefeito. Segundo Danila, está tudo certo e acertado. Porém, nem o próprio Fábio Cândido está muito firme nessa história. Ele ainda corre atrás de garantir que terá legenda para disputar a Prefeitura de Rio Preto.

Exército

Os pré-candidatos a vereador pelo PL e pelo Novo têm formado um verdadeiro exército para pulverizar nas redes sociais que Fábio Cândido vai disputar as eleições ao Executivo. Todos os dias têm um novo vídeo, uma nova postagem ou uma nova declaração de um ou de outro. Se dependesse somente desta turma, estava tudo certo, mas parece que a cúpula do PL não está com tanta pressa. Fábio Cândido tem até o dia 15 de agosto para se filiar a um partido. É muito tempo para decidir e pouco tempo para se fazer ser conhecido. Até lá, muita coisa pode acontecer. Inclusive nada.

Amém

O bispo dom Antonio Emidio Vilar esteve com Fábio Cândido, na terça-feira (11). A reunião, intermediada pela cúpula municipal do Novo, colocou o ex-comandante da Polícia Militar frente a frente com o representante da Igreja Católica. Seguindo os protocolos do religioso, nada foi divulgado. A assessoria de Fábio Cândido também não enviou comunicado dizendo como foi o encontro. O militar, agora da reserva, ainda sem partido, apenas continua seguindo os mesmos caminhos daqueles que são declaradamente pré-candidatos, Itamar Borges (MDB) e Marco Rillo (PT).

Sem vergonha

As federações PSOL/Rede e PT/PV/PCdoB tentam arrastar o pré-candidato a prefeito pelo PCO, Bruno Menendez para uma coligação. A proposta do grupo, que tem como pré-candidato o ex-vereador Marco Rillo, é não deixar a esquerda passar mais uma vergonha eleitoral, como foi em 2016, com Daniel Nhani. Na época, em uma campanha catastrófica, o então candidato pelo PCO chegou a dizer que iria paralisar todas as obras da cidade e consultar se a população queria que fossem terminadas. Nas urnas, o resultado foi de pouco mais de 600 votos.

Conteúdo

O grupo de Marco Rillo tem acumulado trunfos interessantes para a campanha deste ano. Entre eles, o mais recente presente veio do presidente Lula (PT). Um campus de Universidade Federal tem sido pedido há anos pelos rio-pretenses e foi anunciado nesta semana. Outro motivo de orgulho para a esquerda está sendo a criação da Região Metropolitana. Apesar do projeto ter partido do então governador João Dória (PSDB), João Paulo Rillo (PSOL), como deputado pelo PT em outros tempos, chegou a apresentar o projeto. No final, acabou vetado pelo então governador Geraldo Alckmin, mas a “sementinha já estava plantada”, defendem.

Armados

João Paulo Rillo tem dado sinais de que não vai economizar ao usar os feitos dos governos PT na região para tentar angariar votos. Na última sessão, ele defendeu a chegada da Universidade Federal e relembrou repasses que ajudaram na conclusão da Estação de Tratamento de Esgoto, na regularização de loteamentos até então irregulares e na construção de casinhas populares. Por outro lado, o PT está ajudando muito. Recentemente chegou um produtor da capital para dar aquele up nas redes sociais do homem do partido.

Bipolar

A última sessão da Câmara foi marcada pela discussão envolvendo João Paulo Rillo e Bruno Moura (PRD). A treta toda se deu porque Moura não se conforma com as artimanhas do veterano Rillo para dominar as discussões em plenário. O bate-boca foi tão trágico para o vereador do PRD que teve até ameaça explícita de violência. “Você é um cara, João, que na hora que você menos esperar, você vai ter”, disse Moura. Não se trata de novidade o homem que tem músculos ameaçar alguém, mas o que mais chama a atenção é que, momentos antes, Moura tinha usado a tribuna para dizer que tinha mudado de postura quanto a querer sair no braço com os outros.

Nas entrelinhas

Outro momento que chamou a atenção dos mais atentos foi o discurso de Jorge Menezes (PSD). Desafeto público de Ulisses Ramalho, presidente do PRD, Menezes não economizou nas críticas mais uma vez. Cheio de ironias, o vereador cobrou que o dirigente decida se vai mesmo se lançar candidato. Depois de elogiar o novo secretário de Serviços Gerais, Arnô Della Libera Júnior, Menezes elogiou o secretário de Esportes, Gustavo Silva. “Vocês, como secretários, fazem favores à população, não aos vereadores”, dando margem para a interpretação de uma crítica velada a Marcondes.

AS MAIS LIDAS