Redes Sociais

Saúde

Silicone nos seios não atrapalha a amamentação

Cirurgião plástico afirma ainda que a prótese é feita de um gel coeso, que não vaza e nem escorre, revestido por outra cápsula de silicone

Publicado há

em

Uma das principais preocupações das pacientes nos consultórios de cirurgia plástica são as consequências de uma cirurgia de mama para uma futura amamentação. Muitas mulheres querem fazer a cirurgia plástica, mas ficam em dúvida se poderão ou não amamentar. No caso do implante de silicone, a resposta é simples: a prótese não atrapalha em nada na amamentação.

“O implante é colocado atrás da glândula mamária ou atrás do músculo peitoral. Ou seja, não interfere na produção do leite materno. A prótese é feita de um gel coeso, que não vaza e nem escorre, revestido por outra cápsula de silicone. Assim, a mulher poderá dar de mamar para o bebê sem problemas”, afirma o cirurgião plástico Rodrigo Antoniassi, da Clínica Innove, que fica em Rio Preto.

Mas e depois do período de amamentação, será preciso trocar o silicone? O especialista afirma que tudo vai depender das mudanças no corpo da mãe durante a gestação. Se a mãe ganhar muito peso, as mamas também aumentarão muito de tamanho, e depois da amamentação podem ficar um pouco caídas. “Pode ser que aconteça uma sobra de pele, situação comum em mulheres com ou sem silicone. A prótese de silicone continuará intacta. A mama é que terá um formato diferente”, afirma o cirurgião plástico.

Ainda sobre o implante, outro receio comum entre as mulheres é se o silicone dificulta a detecção do câncer de mama. Quando a prótese é implantada atrás da glândula mamária, ela empurra um possível nódulo mais para frente, ajudando na sua detecção por meio da palpação.

Um ano após o implante, a paciente pode fazer uma mamografia normalmente. E outros exames como ultrassom de mamas e ressonância magnética podem ser feitos em qualquer fase do pós-operatório.

 

AS 10 MAIS LIDAS