Redes Sociais

Saúde

Hospital de Base inaugura Setor de Radioterapia

O novo Setor, que conta com um dos mais modernos aceleradores lineares do mundo, permitirá a ampliação do atendimento de radioterapia aos pacientes oncológicos de uma região que compreende 102 municípios, com cerca de 2 milhões de habitantes

Publicado há

em

O governador do Estado de São Paulo, Geraldo Alckmin, e o secretário de Estado da Saúde, David Uip, inauguram, nesta segunda-feira, dia 17, o Setor de Radioterapia do Hospital de Base de São José do Rio Preto, no Noroeste Paulista. O novo Setor, que conta com um dos mais modernos aceleradores lineares do mundo, permitirá a ampliação do atendimento de radioterapia aos pacientes oncológicos de uma região que compreende 102 municípios, com cerca de 2 milhões de habitantes.
Foram investidos R$ 9,2 milhões no Setor, dos quais, R$ 5,2 milhões na construção do prédio pelo governo do Estado e R$ 4 milhões na compra do aparelho pelo Ministério da Saúde.

A inauguração do novo Setor de Radioterapia, segundo o governador Geraldo Alckmin, reforça que o HB é um dos melhores hospitais do Brasil. “A instituição é um exemplo de como se pode oferecer serviços de excelência com menor custo possível, beneficiando a população”, diz Alckmin. A avaliação é compartilhada pelo secretário David Uip. “O complexo Funfarme e seus hospitais são instituições sérias, que demonstram competência e zelo com o dinheiro público”, afirma Uip. “A Fundação é um centro de excelência em ensino, pesquisa e assistência à comunidade”, completou.

O Setor tem capacidade de tratar até 100 pacientes, prioritariamente do SUS, e de convênios e particulares. O SUS responde por 80% do atendimento do HB em todos os seus serviços. Serão, portanto, mais de 2.000 procedimentos radioterápicos por mês. Atualmente, o Instituto do Câncer (ICA) da Funfarme realiza 4.000 atendimentos mês, dentre os quais, 60 tratamentos radioterápicos.

A entrada em funcionamento do novo setor do HB irá beneficiar muito os moradores da região que precisam deste tratamento, sobretudo pelo acesso universal a uma alta tecnologia, em acomodações modernas e humanizadas. “Grande parte dos pacientes de Rio Preto e região tem que se deslocar para serviços em cidades bem distantes, algumas em outras regiões do Estado. Se pensarmos que o tratamento radioterápico, normalmente, se prolonga por 30 dias resta a estas pessoas ter que permanecer nas cidades dos serviços, afastando-se de suas atividades e de seus familiares durante este período”, destaca Dr. Jorge Fares, diretor executivo da Funfarme.

A Fundação passa assim a oferecer um serviço completo de tratamento de câncer, com exames diagnósticos, quimioterapia, radioterapia, cirurgias, realizados no Hospital de Base, Hospital da Criança e Maternidade (HCM) e no Setor de Radioterapia. “Podemos agora realizar todo o tratamento dentro de nosso complexo hospitalar, não sendo mais preciso que os pacientes se locomovam para outro serviço, tendo mais comodidade, o que é importante para pessoas que estão muitas vezes debilitadas”, afirmou Dra. Amália Tieco, diretora administrativa do HB.

A radioterapia é indicada para pacientes que precisam de um tratamento localizado, focado no local do tumor. Ela utiliza radiação de alta energia para atingir o DNA das células tumorais e induzir sua morte. Por empregar radiação, é importante que o tratamento seja extremamente preciso e no menor tempo possível.

Acelerador do HB é um dos mais modernos do mundo

Daí a importância de o Hospital de Base dispor de um equipamento como o Acelerador Linear Varian, modelo Trilogy, um dos mais modernos do mundo. Sua tecnologia oferece extrema precisão, permitindo ao médico aplicar a dose de radiação no tumor sem prejudicar as células saudáveis ao redor, preservando tecidos sadios e, importante, com rapidez.

Esta precisão é assegurada porque o aparelho conta com recurso tecnológico chamado RAPID ARC e um braço robótico que executa a radioterapia guiada por imagem.

Radioterapia é aplicada em tratamento de quase todos os tipos de câncer

A radioterapia é, atualmente, indicada para a maior arte dos tipos de cânceres, em alguma fase de seu tratamento. Pode ser utilizada, por exemplo,para o tratamento de pacientes com câncer na cabeça e pescoço, cerebral, colo de útero, endométrio, próstata, pulmão, intestino, estômago, esôfago, vesícula, bexiga, colorretais, ósseo, mama, entre outros. Também pode ser uma complementação de cirurgia para reduzir o risco de recidiva local.  Em pacientes com doença metastática, a radioterapia é aplicada para reduzir dor, sangramento e falta de ar, esta causada pela obstrução de vias aéreas. Os pacientes do transplante de medula óssea também serão beneficiados, pois poderão contar com uma técnica que irradia o corpo inteiro.

Instalações completas, humanizadas e confortáveis

Para oferecer a mais alta tecnologia em tratamento radioterápico, o Hospital de Base vai dispor de uma ampla área de 1.524 metros quadrados, que ocupa o subsolo dos novos blocos C e D do complexo hospitalar da Funfarme.
Todo climatizado, o Setor conta com ampla e confortável recepção, seis consultórios e uma sala de recuperação com 5 leitos para receber os pacientes que passaram pelo tratamento radioterápico. Médicos, profissionais de enfermagem e administrativos dispõem de salas específicas para se reunirem e planejarem o tratamento de cada paciente.
O Setor fica no mesmo prédio do futuro Departamento de Imagem por Diagnóstico e da nova ala de quimioterapia.

Total segurança contra radiação

A construção do prédio onde funciona o Setor de Radioterapia é uma das obras de engenharia hospitalar mais complexas já realizadas na região Noroeste. As instalações do Setor foram construídas para garantir que a radiação esteja restrita à sala onde está o acelerador. Para isso, as paredes são de concreto, nas quais as primárias têm espessura de 2,5 metros e as demais 1,25 metros.

Para erguer paredes tão grossas foi adotado processo de concretagem em que foram despejadas 640m² de concreto resfriado, com a adição (mistura) de 70 toneladas de gelo, transportadas por 64 caminhões betoneiras. “Esta técnica de resfriamento foi fundamental para que não houvesse fissuras nas paredes durante a concretagem e as salas de exames sejam totalmente blindadas”, explicou a engenheira civil Maria José de Almeida Zeituni, da Área de Engenharia da Funfarme. Somente esta operação mobilizou mais de 100 funcionários da Funfarme, empreiteira econcreteira.

Para o Setor de Radioterapia iniciar suas atividades, as instalações foram vistoriadas e liberadas pela Vigilância Sanitária e pela Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN).

Funfarme segue investindo em alta tecnologia que beneficia pacientes

O benefício ao paciente é sempre foco da Fundação. Para isso, a Funfarme vem investindo em equipamentos de alta tecnologia, que trazem mais precisão, segurança e conforto aos usuários.Nos últimos anos, o complexo injetou mais de R$ 35 milhões em seu Parque de Diagnóstico, na aquisição de um PET-CT, Tomógrafo, Ressonância Magnética e aparelho de densitometria óssea e uma gama-câmara.

Além disso, Fundação conta com dois angiógrafos, aparelhos de hemodinâmica que são usados para cirurgias pouco-invasivas de neurologia, cardiologia, vascular e eletrofisiologia. Em ambos foram investidos mais de 2,3 milhões, à época, em fevereiro de 2013.

AS 10 MAIS LIDAS