O que podemos aprender com a briga judicial de Johnny Depp e Amber Heard?

Artigo escrito pela psicóloga, Dalila Ayala

Johnny Depp e Amber Heard são celebridades conhecidas mundialmente em sucessos como Piratas do Caribe e A Fantástica Fábrica de Chocolate. Porém, desde o dia 11 de abril ambos estão nos holofotes por conta de graves problemas pessoais.

O ex-casal participa de um julgamento, nos Estados Unidos, em meio a acusações, vídeos, áudios relacionados à violência doméstica e pedidos de indenização por calúnia e difamação de ambos os lados.

Essa briga tem gerado notícias em tempo real pelo mundo e já impactou de forma drástica a vida pessoal e profissional dos dois, porém é importante lembrarmos que existem relacionamentos abusivos, como de Johnny e Amber, em toda parte, a todo momento.

Mas como evitar esse tipo de relação? É possível entender os sinais de um relacionamento abusivo?

Primeiramente, é importante entender que relacionamento abusivo, seria a situação em que uma das partes do relacionamento exerce extremo poder e influência sobre a outra, minimizando-a ao máximo e tornando a sua vida infeliz e até mesmo dificilmente suportável. 

Engana-se quem pensa que se trata apenas das agressões que resultam em violência física, e também, quem pensa que o abusador é apenas o homem. Outras formas de agressão também acontecem, são mais sutis, como a emocional, a financeira, a sexual e a psicológica.

O abuso psicológico é mais frequente do que imaginamos, e acaba fazendo com que a vítima se sinta dependente emocionalmente do abusador, com que sua autoconfiança e autoestima sejam abaladas, deixando-a mais insegura em relação a vida e a sua capacidade de enfrentamento.

O abuso, muitas vezes, acontece de forma velada, e pode além de trazer culpa e vergonha para a vítima, pode também, dificultar a identificação e a denúncia do problema. A melhor forma de reconhecer um relacionamento assim, é através da informação.

Alguns sinais importantes do abusador: 1.O controle sobre a vítima; 2.A Humilhação da vítima; 3. Ciúme exagerado; 4. Violência verbal e/ou física; 5. Isola a vítima de sua rede de apoio, familiares e amigos; 6.F az ameaças constantes e falsas acusações, fazendo com que a vítima se sinta culpada; 7.Utiliza, muitas vezes, o dinheiro para dominar.

Apesar de todo prejuízo causado, muitas pessoas não se sentem capazes de sair desses relacionamentos tóxicos, seja pelo medo, por terem visões equivocadas do amor, por dependerem emocionalmente de seus abusadores, por terem baixa autoestima, por se acostumarem com esta situação, ou até mesmo, por quererem ajudar o parceiro.

Dalila Ayala é psicóloga, especialista em Terapia Cognitiva, criadora do programa Eduqueamente e mestre pela Unicamp.

Por Da Redação em 22/05/2022 16:00