Redes Sociais

TV GAZETA

FLEXIBILIZAR NÃO É A MELHOR SOLUÇÃO

No último Dia dos Namorados um acordo permitiu que o comércio de rua de Rio Preto funcionasse das 9h às 22h na véspera do dia 12 de junho, uma data importante para alavancar as vendas.

Publicado há

em

O atual momento econômico exige cautela e planejamento. Os índices e dados divulgados recentemente pela imprensa mostram retração no consumo, redução
do número de contratações e taxas de juros em crescimento. É justamente neste cenário, no qual empresários estão reduzindo custos para não fechar as portas, que a Associação Comercial e Empresarial de São José do Rio Preto (Acirp) e as entidades patronais propõem ampliar o horário de funcionamento do comércio da cidade.

Estimular o consumo é sempre um ponto positivo. Ganham os empresários, os trabalhadores, os consumidores e a cidade. Mas afi rmar que para aumentar as vendas é preciso fl exibilizar o horário do comércio não parece ser a melhor solução. É preciso analisar o perfil de quem compra nas lojas localizadas na região central e em bairros e verificar o que atrai esses clientes. Razões certamente diferentes de quem procura os shoppings no horário noturno.

No último Dia dos Namorados um acordo permitiu que o comércio de rua de Rio Preto funcionasse das 9h às 22h na véspera do dia 12 de junho, uma data importante para alavancar as vendas. Infelizmente o que se viu foram lojas do Calçadão fechadas às 19h e pouco movimento nos estabelecimentos que arriscaram abrir as portas. Certamente este foi um bom termômetro para medir se a abertura das lojas no horário noturno é viável.

O Sindicato dos Empregados no Comércio de São José do Rio Preto não é totalmente contrário a fl exibilização do horário do comércio. Há inúmeros acordos firmados entre o Sincomerciários e estabelecimentos da cidade que desejam funcionar fora do horário regulamentar. Esse acordos beneficiam empresários e trabalhadores. Quem procura um horário diferenciado é porque tem condições de arcar com os custos do horário estendido, que incluem gastos como energia elétrica, pagamento adicional aos trabalhadores e outros insumos que são essenciais para o funcionamento de uma loja.

Antes de falarmos em fl exibilização é preciso revitalizar o Calçadão de Rio Preto, ampliar a segurança, buscar alternativas para reduzir o elevado número de moradores de rua que habitam as praças Rui Barbosa e Dom José Marcondes, garantir que creches funcionarão em horário diferenciado para atender os fi lhos dos trabalhadores e que o transporte coletivo terá condições de receber o fluxo de passageiros em horários considerados hoje de baixo fluxo. Repito: é preciso cautela e planejamento. Flexibilizar o horário para atender apenas uma parcela pode trazer muito mais prejuízos que benefícios. É preciso discutir a questão à fundo e buscar soluções para questões que podem afastar os consumidores. Precisamos cuidar
para que os índices de desemprego não aumentem e que a população trabalhadora de Rio Preto não seja prejudicada.

AS 10 MAIS LIDAS