GAZETA DIGITAL ISSUU - Gazeta de Rio PretoISSUU - Gazeta de Rio Preto

Política

Parceria entre Prefeitura e empresa privada dará nova área verde à cidade

Novo parque municipal na avenida Romeu Strazzi ocupará uma área de 7 mil metros quadrados com vegetação e atividades para a população

Uma área degrada de 56 mil metros quatros e que deixa muita gente intrigada quando passa pela avenida Romeu Strazzi, em Rio Preto, vai virar um condomínio fechado, de alto padrão, chamado Reserva da Mata. Lá já foi uma pequena reserva de mata primária, restos da Mata Atlântica, e atualmente serve para todo tipo de descarte.

Com o tempo e as batalhas judiciais entre herdeiros, o abandono do local provocou a derrubada silenciosa do pequeno maciço. Restam quase sete mil metros quadrados do que sobrou da Mata Atlântica. Uma parceria pública privada (PPI) vai resgatar aquele espaço e preservar o restante da área verde, remanescente. Foi o que anunciaram na Prefeitura, na tarde de quinta-feira, dia 8, a Hugo Engenharia e o prefeito Edinho Araújo.

Os diretores da empresa Hilton Fabbri e Marcelo Chibeni disseram que o local vai abrigar um condomínio fechado para aproximadamente 4 mil pessoas. A novidade é que a área verde, que poderia ficar dentro do condomínio, vai ficar do lado de fora. O novo parque público terá aproximadamente 7 mil metros quadrados e vai manter as 80 espécies nativas, incluindo 39 Angicos e 26 Monjoleiros (Acácias). Vai receber ainda o plantio de novas árvores da mata nativa pré-existente e que foi retirada.

O Parque Urbano será equipado com um espaço chamado Zen/Cultural destinado às atividades físicas e culturais, além de pista de caminhada, bicicletário, playground, bancos, mesas e iluminação. Serão promovidos também circuitos botânicos. Além dos Monjoleiros e Angicos, o espaço tem ainda Jacarandás, Aroeiras, Jequitibás, Palmeiras Jerivá, Pitangas, Quaresmeiras, Ipês Amarelos, Tosa e Branco. O empreendimento da Hugo Engenharia vai gerar cerca de R$ 700 milhões em negócios, totalizando 10 torres verticais.

O parque será bancado pelos empreendedores e será mantido por três anos consecutivos até a transferência da responsabilidade à Prefeitura. Apenas o Parque Urbano tem um custo estimado de R$ 500 mil. O prefeito Edinho Araújo fez questão de dizer que o empreendimento está dentro do espírito do novo tempo e tecnologia avançada. Cada árvore, existente ou a ser plantada, terá um totem com um QR CODE (Código QR) para ser identificada a partir da leitura da tela de um celular. Nesse caso, a Prefeitura entra com a legislação que permitiu a viabilização do empreendimento e foi aprovada pela Câmara. Os custos da obra, do parque e a manutenção serão da empreendedora.

Por Rubens Celso Cri em 08/08/2019 às 23:59
TerrasAlphaville