Artigos

Mais de um ano de pandemia. Quem está bem?

Artigo escrito pela psicologia, Bruna Richter

Há pouco mais de um ano atrás, nossas vidas foram atravessadas pela presença de uma ameaça desconhecida e invisível. Perdidos e desorientados, buscávamos sem sucesso alguma informação mais consistente que nos apontasse uma melhor maneira de combatermos esse mal. Mesmo agora, diante de todo o período transposto, não é incomum que continuemos inseguros ao enfrentar a falta de um direcionamento preciso.

Ao lidarmos com uma situação singular, tendemos a buscar referências anteriores que possam nos ajudar a balizar as novas experiências ou a seguir determinações provenientes daqueles que consideramos autoridades no assunto em questão. No entanto, enraíza-se no Brasil uma crescente polarização sobre os protocolos a serem seguidos na medida em que a pandemia se estende por um período continuado.

Sem uma sustentação prévia, tendemos a nos apoiar naqueles que julgamos possuir um maior domínio sobre o tema, por vezes, seguindo suas orientações de forma irrefletida. Nos comportamos assim, de um modo cada vez mais impessoal, nos distanciando muitas vezes da lógica, do bom senso e da coletividade ao buscarmos aplacar, a qualquer custo, a angústia que se potencializa em meio àquilo que não conseguimos controlar ou contornar.

Como decorrência direta, em nenhuma outra época os trabalhadores da área da saúde foram tão demandados. Se por um lado a procura pela prevenção, tratamento e cura do corpo seguem se intensificando, nunca se debateu tanto sobre saúde mental. Psicólogos e psiquiatras observam alarmados a avalanche aterradora de novos sintomas que emergem decorrentes do tempo prolongado de exposição à insegurança e ao medo.

Os profissionais desse campo estão exaustivamente se reinventando em busca de novos métodos e procedimentos que proporcionem alívio do sofrimento psíquico que se alastra velozmente. A atualização técnica que já era contínua, agora se torna ainda mais frequente e indispensável. Numa corrida contra o tempo, eles se renovam para atender não apenas às novas exigências que se instalam, como as tantas outras questões preexistentes.

Todos nós fomos atingidos, em algum grau, pelo Covid e não há possibilidade de passar intacto por tudo o que vem ocorrendo. Para tanto, estudiosos do psiquismo seguem se atualizando a procura de ferramentas que tornem esse período mais tolerável. Contudo, é preciso acolher a fala sobre saúde mental. Gritar por ela. Lutar pela nossa. É necessário que, cada vez mais, tomemos consciência de seu valor inestimável para a sustentação do nosso bem estar integral.

c é graduada em Psicologia, em Ciências Biológicas e pós-graduanda no curso de Psicologia Positiva e em Psicologia Clínica.

 

Por Da Redação em 09/04/2021 00:01